Internacional

G20 diz que injetará US$ 5 tri na economia para enfrentar coronavírus

0

O G20 irá injetar US$ 5 trilhões (R$ 24,91 trilhões) na economia global para ajudar no combate ao novo coronavírus (Covid-19). As 20 nações mais ricas do planeta se reuniram de forma virtual, nesta quinta-feira (26), em um encontro extraordinário.

O grupo liderado pela Arábia Saudita neste ano afirmou, em declaração oficial, que fará o que for necessário para enfrentar o avanço da pandemia do coronavírus e garantir empregos, e está buscando recursos para isso.

Além disso, o G20 se propôs a compartilhar informações epidemiológicas e do âmbito da saúde, sustentar os sistemas públicos de saúde e elevar a capacidade de produção de materiais médicos.

O grupo também informou que vão aumentar o financiamento para pesquisas que procuram uma vacina para a doença, além de fortalecer a cooperação científica internacional.

Saiba mais: Coronavírus é uma tragédia de proporções bíblicas, diz Draghi

Segundo o G20, a resposta ao coronavírus necessita de transparência, robustez, de grande escala e ser coordenada. O grupo solicitou à Organização Mundial de Saúde (OMS) para fazer um levantamento de lacunas na preparação para o enfrentamento à doença nos próximos meses.

FMI presente na reunião

O Fundo Monetário Internacional (FMI) solicitou aos líderes dos países mais ricos do mundo que apoiem à capacidade de financiamento da instituição.

A diretora do fundo, Kristalina Georgieva, afirmou que a profundidade da desaceleração econômica e a rapidez da recuperação dos países dependem da contenção da doença, além da força e coordenação das políticas monetárias e fiscais. Para o FMI, a pandemia deve causar uma recessão global neste ano.

Georgieva salienta que é necessário apoiar os países mais pobres, que serão particularmente impactados pelo coronavírus, tanto economicamente como na saúde.

Coronavírus no mundo

Até a manhã desta quinta-feira, as secretarias estaduais de Saúde confirmaram 2.567 casos confirmados do novo coronavírus no Brasil, com 60 mortos.

O isolamento na Espanha, segundo país mais atingido na Europa e já tendo ultrapassado o número de mortes na China, foi prorrogado para o dia 12 de abril com o intuito de conter a disseminação da pandemia. O tem mais de 56 mil infectados e 4.089 mortes por causa de complicações dos coronavírus.

Bolsa em queda livre!? Aproveita as maiores oportunidades da bolsa brasileira com nosso acesso Suno Premium

Na Itália, foram registradas ao menos 7.503 mortes pelo Covid-19 e mais de 74 mil casos até a última quarta-feira. Há cerca de 30 dias, o país ainda mantinha medidas de isolamento parcial, sobretudo quando a doença estava concentrada apenas na Lombardia, na região norte da Itália.

Segundo a universidade norte-americana John Hopkins, desde o primeiro caso confirmado, o coronavírus já matou 1.046 pessoas no território dos Estados Unidos. Mais de 69 mil pessoas foram infectadas.

Segundo a OMS, a situação dos Estados Unidos está se deteriorando. De acordo com a organização, em entrevista coletiva na última terça-feira, o país poderá ser o novo epicentro do coronavírus no mundo.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.