Fundos de renda fixa captam R$ 44,5 bi em agosto, declara Anbima

Fundos de renda fixa captam R$ 44,5 bi em agosto, declara Anbima
Os fundos de renda fixa atraíram R$ 44,5 bilhões em agosto desse ano, representando um retorno de captações.

Os fundos de renda fixa atraíram R$ 44,5 bilhões no mês de agosto desse ano, representando a melhor captação líquida mensal de 2020. Os dados foram divulgados pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) nessa terça-feira (8).

Foram registradas saídas líquidas da ordem de R$ 4 bilhões durante esse ano. A renda fixa do tipo baixo soberano apresentou o melhor resultado mensal e anual, com entradas de R$ 25,4 bilhões e R$ 140,5 bilhões, respectivamente.

“Os movimentos de agosto só confirmam o previsto: os efeitos da crise estão se atenuando e teremos uma retomada gradual e, o mais importante, consistente”, declarou o vice-presidente da Anbima, Carlos André.

Ao passo que os multimercados receberam R$ 17,1 bilhões em agosto, representando a maior captação líquida nesse ano.

Os fundos de ações tiveram entradas líquidas entre os meses de janeiro e agosto de R$ 146,6 bilhões e de R$ 66,5 bilhões em agosto. Os valores representaram um queda de 20,5% em comparação com o volume levantado no mesmo período do ano passado.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

O mês de agosto registrou uma maior rentabilidade em carteiras que investem no exterior, sendo elas:

  • Classes de renda fixa: 2,5% de rentabilidade
  • Multimercados: 2,1% de rentabilidade

A queda do Ibovespa no mês passado foi influenciada pelo desempenho negativo em quase todos os tipos de ações, enquanto a única que sofreu valorização foi o fundo de investimento no exterior, com alta de 0,64%

B3 (B3SA3) passa a aceitar ETFs de renda fixa como margem de garantia

A B3 (B3SA3) passou a aceitar, a partir desta segunda-feira (29), Exchange Traded-Funds (ETFs) de renda fixa como margem de garantia. A informação foi relevada em comunicado à imprensa.

De acordo com a B3, a modalidade tem por objetivo fomentar o desenvolvimento do mercado de ETFs de renda fixa. Com isso, a alocação de capital se tornaria mais eficiente e potencializaria a utilização do produto.

“A inclusão do ETF de renda fixa como uma possibilidade de aceitação em garantia não só proporciona maior eficiência na alocação de capital, como também aumenta as possibilidades de utilização do produto”, disse Marcos Skistymas, superintendente de juros e moedas da companhia, na nota.

Atualmente, o depósito de garantias já pode ser realizado em dinheiro (real ou dólar), ou pela utilização de outros ativos, como ações ou títulos públicos, a depender da operadora de infraestrutura de mercado financeiro.

Saiba mais: B3 (B3SA3) passa a aceitar ETFs de renda fixa como margem de garantia

De acordo com a B3, as normas para eligibilidade e o cálculo do limite de aceitação em garantia podem ser encontradas no Manual de Administração de Risco da Câmara de Compensação de Liquidação da BM&FBOVESPA (Câmara da B3).

Os ETFs de renda fixa são fundos negociados em bolsa de valores que procurar refletir as variações e rentabilidade de índices de renda fixa. O instrumento traz ao investidor liquidez, diversificação e transparência, uma vez que há a divulgação diária da composição da carteira do índice e sua formação de preço na bolsa.

 

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião