FMI não emprestará dinheiro à Argentina de “olhos vendados”, diz Georgieva

FMI não emprestará dinheiro à Argentina de “olhos vendados”, diz Georgieva
FMI não emprestará dinheiro à Argentina de “olhos vendados”, diz Georgieva

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, declarou nesta quarta-feira (30), durante entrevista à agência Bloomberg, que a entidade não emprestará dinheiro à Argentina de “olhos vendados”, apesar do cenário de crise que o país vive, ainda mais prejudicado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o fundo deve ser cauteloso ao proporcionar um financiamento emergencial.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

De acordo com a diretora, uma missão do FMI chegará no país na próxima terça-feira (6) com o objetivo de analisar a agenda econômica do presidente, Alberto Fernández, para que as negociações de um novo acordo possam ser iniciadas.

A entidade solicita detalhes sobre as últimas medidas anunciadas pelo governo argentino, como o novo orçamento para o próximo ano e os controles mais rígidos sobre o câmbio.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

“Em tempos de crise, quando proporcionamos financiamento emergencial, temos que atuar realmente rápido. Isso não significa que estamos fazendo isso com os olhos vendados e sem prestar atenção em como o dinheiro está sendo gasto”, informou a economista. “Em todos os casos, analisamos a sustentabilidade da dívida. Alguns países são programas tradicionais de financiamentos. Agora vamos ter a Argentina”, concluiu.

Após conseguir reestruturar parte de sua dívida externa com credores privados, o país busca renegociar o acordo firmado com o FMI. Entre 2018 e 2019, o país recebeu US$ 44 bilhões em ajuda da entidade internacional.

Argentina negocia com FMI para quitar dívida de US$ 44 bi

A Argentina estaria negociando com o Fundo Monetário Internacional visando implementar um novo programa para reestruturar sua dívida externa de US$ 44 bilhões (aproximadamente R$ 245 bilhões). A notícia foi divulgada no dia 27 de agosto pelo diretor executivo da organização internacional para a América do Sul, Sergio Chodos.

Após o início formal das negociações feitas no dia 26 de agosto, o FMI declarou que a Argentina tem o objetivo de quitar a dívida de quase US$ 44 bilhões contraída durante o governo do ex-presidente, Mauricio Macri.

Durante o ano de 2018, o então presidente Macri fechou um contrato com a entidade em que receberia o valor de US$ 57 bilhões com a finalidade de impedir a desvalorização excessiva do peso argentino e de impedir um novo calote da dívida.

Saiba Mais: Argentina negocia com FMI para quitar dívida de US$ 44 bi

No entanto, o país chegou a receber US$ 44 bilhões provenientes do acordo, antes que o atual presidente, Alberto Fernández, assumisse o cargo e cancelasse o programa no final do ano passado.

“A intenção da Argentina é buscar financiamento da entidade com o único propósito de pagar integralmente os US$ 44 bilhões que ainda são devidos ao Fundo”, afirmou o diretor executivo do FMI para a América do Sul.

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião