Fed: volta da covid-19 e de medidas restritivas podem prejudicar retomada

Fed: volta da covid-19 e de medidas restritivas podem prejudicar retomada
Fed confirma taxas de juros inalteradas entre 0% e 0,25%

A presidente do Federal Reserve (Fed) de Kansas City, Esther George afirmou nesta quinta-feira (8) que a trajetória da economia depende “de modo significativo” do rumo da pandemia do coronavírus (Covid-19). “Um ressurgimento do vírus e a nova imposição de medidas de controle provavelmente tirariam a recuperação dos trilhos”, declarou durante discurso em conferência virtual da Universidade do Estado de Wichita.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Esther George, atualmente sem direito a voto nas decisões de política monetária, ressaltou que a economia não deve se recuperar totalmente enquanto a Covid influenciar as tomadas de decisões cotidianas. “Isso parece no fim das contas depender da confiança de que o vírus será gerenciado de maneira efetiva, como com uma vacina“, afirmou a presidente do Fed.

Em sua avaliação, a recuperação econômica tem ocorrido com “rapidez encorajadora”, entretanto ainda existem “riscos substanciais à perspectiva”. “Ainda não estamos fora de perigo”, pontuou.

Conheça o Suno One, a central gratuita de informações da Suno para quem quer aprender a investir. Acesse clicando aqui.

A dirigente ainda informou que após problemas nos mercados financeiros em março deste ano, o BC americano começou a comprar “grandes quantidades” de Treasuries e outros papéis, o que acalmou os mercados financeiros de forma eficaz, mesmo diante do peso grande da pandemia na economia real, observou.

A Presidente do Fed de Kansas City também ressaltou que caso a pandemia provoque uma “recessão mais prolongada”, isso se traduziria em uma queda nos preços que “poderia ser mais pronunciada”, com uma política monetária acomodatícia por mais tempo nos Estados Unidos.

Por outro lado, boas notícias no combate ao vírus e na normalização do quadro poderiam levar “rapidamente” a inflação acima da meta de 2%, considerou. De qualquer modo, a mandatária reafirmou o apoio do Fed à recuperação e disse que os riscos adiante “não podem ser subestimados”.

Fed: retomada total do mercado de trabalho depende de reabertura sustentável

Além do anúncio feito hoje, o Federal Reserve divulgou na última quarta-feira (7) informações referentes à última reunião do Banco Central americano. De acordo com o anúncio, os dirigentes da autoridade monetária avaliaram que no geral, há consenso de que um aumento “substancial” nos postos de trabalho dependerá de uma reabertura “sustentável” dos negócios.

Segundo o Fed, a economia dos EUA vem se recuperando da crise gerada pela pandemia do coronavírus, com o mercado de trabalho americano voltando aos seus valores normais, pontuando que, em agosto, metade dos 22 milhões de postos perdidos em março e abril já haviam sido retomados.

Saiba Mais: Fed: retomada total do mercado de trabalho depende de reabertura sustentável

O ganho até agora nos empregos foi maior do que o esperado, entretanto os dirigentes avaliam que há um “longo caminho” até uma restauração completa.

A reabertura dos negócios irá depender do quão seguras as pessoas se sentirão para “retomar as atividades”, na visão dos participantes. A maioria dos postos retomados até agora foi de empregados temporariamente em lay-off retornando às atividades, o que faz com que o atual nível da recuperação seja difícil, tendo em vista o número de demissões permanentes, indica o Fed.

Com informação do Estadão Conteúdo

 

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião