Fed defende aumento dos gastos para combate da crise

Fed defende aumento dos gastos para combate da crise
Chairman do Fed, Jerome Powell.

O presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, fez um apelo nesta quarta-feira (13) ao governo dos Estados Unidos para que gastem mais recursos para enfrentar a recessão econômica.

O presidente do Banco Central (BC) norte-americano fez o pedido à Casa Branca e ao Congresso, para garantir uma melhor recuperação da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Veja também: Na Suno One você aprende como fazer o seu dinheiro para trabalhar para você. Cadastre-se agora!

“Pode levar apenas mais alguns meses do que gostaríamos para que a economia se recupere” das medidas de isolamento social para conter a disseminação do novo coronavírus, que paralisaram as empresas, afirmou Powell, em sessão online no Peterson Institute.

Saiba mais: Federal Reserve irá expandir programa de auxílio a PMEs

Dessa forma, as companhias sem receita suficiente enfrentariam um risco maior com a melhora mais lenta do mercado de trabalho. “O apoio fiscal adicional pode ser caro, mas vale a pena se ajudar a evitar danos econômicos a longo prazo e nos deixar com uma recuperação mais forte”, defendeu o presidente do Fed.

Powell mostrou preocupação com os efeitos de uma recuperação mais lenta e difícil do que a previstas há dois meses. “O escopo e a velocidade dessa crise não têm precedentes modernos, significativamente piores do que qualquer recessão desde a Segunda Guerra Mundial”, avaliou.

Fed não considera taxa de juros abaixo de zero

O economista ainda afirmou que a autoridade monetária não apresenta planos de reduzir a taxa básica de juros para um patamar abaixo de zero, como haviam previsto alguns especialistas de mercado.

O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) havia afirmado que não apoiaria a redução para uma taxa de juros negativa, que apresentou resultados mistos nas experiência europeia e japonesa. Entretanto, os mercados futuros revelaram que os investidores veem perspectivas crescentes dessa ferramenta em 2021.

“A visão do comitê sobre taxas negativas realmente não mudou”, declarou Powell. “Isso não é algo que estamos vendo”. Na visão do Fed, a taxa negativa poderia dificultar novos empréstimos bancários.

Até o momento, o Congresso dos Estados Unidos liberou US$ 2,9 trilhões (cerca de R$ 17,197 trilhões) para medidas de suportes a famílias, empresas, prestadoras de serviço de saúde e governos estaduais e locais. Essa foi a “resposta mais rápida e maior para qualquer crise do pós-guerra”, afirmou Powell. “Pode não ser o capítulo final, já que o caminho a seguir é altamente incerto e sujeito a riscos significativos de queda”, acrescentou.

Saiba mais: Coronavírus: desemprego nos EUA dispara e chega a 14,7%

Os esforços para garantir novas ações de combate à pandemia permanecem paralisados em Washington. O governo do presidente norte-americano, Donald Trump, e os republicanos exigem mais tempo apara avaliar a resposta da economia.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião