Facebook deve proibir novos anúncios de campanhas políticas nos EUA

Facebook deve proibir novos anúncios de campanhas políticas nos EUA
Após o Google, antitruste dos EUA estaria prestes a processar o Facebook

O Facebook vai proibir os novos anúncios de campanhas políticas na semana antes da eleição presidencial nos Estados Unidos.  O fundador da rede social, Mark Zuckerberg, avaliou que “essa eleição não será corriqueira”.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

“Estou preocupado que, com a nossa nação tão divida e os resultados das eleições levando dias ou até semanas para serem finalizados, pode haver um risco maior de agitação em todo o país. Nossa democracia é forte o suficiente para resistir a este desafio e entregar uma eleição livre e justa”, escreveu o fundador do Facebook em seu comunicado nesta quinta-feira (3).

Zuckerberg anunciou diversas medidas para conter a desinformação no período eleitoral. De acordo com o fundador, será adicionado um rótulo a quaisquer alegações falsas ou prematuras de vitória por parte de candidatos, o que direcionará os usuários a contagens de votos e resultados atuais. A agência de notícias Reuters vai se unir a rede social para fornecer essas informações.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

O Facebook vai limitar o volume de mensagens que poderão ser enviadas por meio do Messenger. Além de implementar a retirada de informações incorretas sobre o voto, com efeito imediato. A rede social vai buscar proteger os funcionários eleitorais de ameaças de violência durante o processo de contagem de votos. Um atalho com informações sobre a votação aparecerá, em breve, no topo das páginas dos usuários do Facebook e do Instagram e vai permanecer até o fim da eleição.

O papel da empresa na eleição de 2016 foi examinado de perto após diversas acusações. Os democratas acusaram o Facebook de violar as políticas públicas, já os republicanos acusaram Zuckerberg de preconceito liberal.

No comunicado, o fundador disse que o Facebook não favorece nenhum dos lados e que ele e sua esposa doariam US$ 300 milhões (cerca de R$ 1,5 bilhão) para reforça o financiamento da infraestrutura eleitoral.

The US elections are just two months away, and with Covid-19 affecting communities across the country, I'm concerned…

Posted by Mark Zuckerberg on Thursday, September 3, 2020

O comunicado do Facebook acontece em meio a um ataque sustentado pelo presidente dos EUA e candidato à reeleição, Donald Trump, sobre a credibilidade da eleição. O mandatário alegou, sem evidências, que provavelmente será “manipulado” por fraude eleitoral generalizada ou pela supressão de votos republicanos.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião