Internacional

EUA volta a provocar China com devolução de entrega da Huawei

0

A FedEX pediu desculpas por ter errado em uma entrega da Huawei, no último domingo (23). Desta forma, os chineses ficaram enfurecidos e disseram que a empresa de entregas dos EUA

Sendo assim, a empresa seria colocada pelos chinpode acabar entrando na próxima lista da China.eses como uma depreciadora dos interesses nacionais.

A companhia comunicou no último domingo que devolveu um pacote, identificado como um telefone da Huawei, por causa de um “erro operacional”.

Nesta segunda-feira (24), o ministério das Relações Exteriores da China exigiu uma explicação sobre a causa pela qual o aparelho foi devolvido ao remetente.

Em entrevista a Reuters, um porta voz da Huawei disse que a empresa de tecnologia não está utilizando os serviços da FedEx. Além disso, no Twitter, a gigante chinesa afirmou que não era direito da FedEx impedir a entrega. Falou, ainda, que a empresa estava se vingando.

Saiba mais: China está otimista com a retomada das negociações com os EUA 

Huawei na ‘Lista Negra’ dos EUA

Na última semana, o Departamento de Comércio dos EUA colocou cinco empresas chinesas, desenvolvedoras de supercomputadores, em sua “lista negra”. Desta forma, os chineses perdem força no mercado, enquanto os EUA argumentam preocupações com a segurança nacional.

Em maio deste ano os Estados Unidos já tinham proibido a empresa Huawei de fazer negócios com empresas norte-americanas. Desta forma, EUA e China permanecem como fortes adversários na guerra comercial.

A empresa Huawei foi acusada de ser usada para serviços de espionagem. Com isso, Donald Trump colocou os EUA em estado de “emergência nacional”. Sendo assim, os norte-americanos foram alertados para não comprarem equipamentos de telecomunicação de empresas estrangeiras, pois podem colocar em risco a segurança nacional.

Os Estados Unidos nunca apresentaram provas concretas de que a empresa Huawei de fato facilita a espionagem para a China.

Compartilhe a sua opinião

Juliano Passaro
Juliano Passaro escreve sobre política, economia e negócios para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou no Portal da Band. É formado em jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.