EUA: Mnuchin vê diferenças significativas sobre pacote fiscal

EUA: Mnuchin vê diferenças significativas sobre pacote fiscal
O secretário do Tesouro dos EUA afirmou que ainda há "diferenças significativas" entre o governo e a oposição sobre o novo pacote fiscal.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, comentou nessa sexta-feira (23) sobre o novo pacote fiscal, e afirmou que ainda há “diferenças significativas” entre o governo e a oposição. Por outro lado, salientou que houve “muito progresso em muitas áreas”.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Além disso, Mnuchin, que estava o lado do presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, apontou que as negociações com a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, continuam.

Na ocasião, o secretário ainda declarou: “oferecemos compromissos à presidente em uma série de questões ainda persistentes. Se ela quisesse fazer um compromisso, haveria acordo”.

Conheça o Suno One, a central gratuita de informações da Suno para quem quer aprender a investir. Acesse clicando aqui.

Vale destacar que mais cedo, nessa sexta-feira, Pelosi voltou a demonstrar otimismo com as negociações.

Ademais, recentemente,  o Diretor do Conselho Econômico da Casa Branca, Larry Kudlow também havia sinalizado “diferenças significativas” entre republicanos e democratas em relação aos estímulos fiscais.

EUA: Casa Branca vê “divergências significativas” sobre estímulos

Kudlow informou na última quinta-feira (22), em entrevista à ‘Fox News’, que as conversas sobre o pacote de estímulos fiscais à economia norte-americana continuam. “Tendo dito isso, ainda há diferenças significativas de política entre os dois lados”, declarou.

De acordo com Kudlow, os republicanos e democratas ainda discordam em relação à verba para estados e garantias contra processos para empresas na reabertura econômica dos EUA.

O diretor pontuou que a pauta de ajuda aos estados, poderia ser postergada em função das divergências e, ressaltou ainda que o tema de “seguro-saúde e dinheiro para imigrantes ilegais” também ainda não atingiu um consenso.

Em sua avaliação, ainda há “certo otimismo” na Casa Branca sobre a possibilidade de um acordo, entretanto, no momento segue o impasse.

Ao falar sobre as eleições presidenciais dos EUA, que ocorrerão no dia 3 de novembro, Kudlow declarou que “o tempo está passando. Em algum momento, é preciso se questionar. Apenas para ter um acordo legislativo, aprovar nas duas Casas e confirmar isso, leva algum tempo”.

Com informações do Estadão Conteúdo

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião