Internacional

EUA amplia exportações em julho e diminui déficit da balança comercial

0

Os Estados Unidos reduziram o déficit comercial em 2,7% no mês de julho em relação a junho. Dessa forma, o valor diminuído foi de US$ 53,99 bilhões, de acordo com dados divulgados pelo Departamento do Comércio americano nesta quarta-feira (4).

O saldo da balança de junho subiu de US$ 55,15 bilhões para US$ 55,51 bilhões. As exportações dos EUA aumentaram 0,6% em relação ao mês de junho, a US$ 207,4 bilhões. Entretanto, as importações caíram levemente 0,1%, a US$ 261,39 bilhões.

Em relação ao comércio feito com o Brasil, os EUA obtiveram superávit de US$ 700 milhões em julho. Entretanto, com a China o país norte-americano registrou déficit comercial de US$ 29,6 bilhões no mês de julho. Mesmo com um valor alto, o número ainda é US$ 500 milhões menor do que o registrado em junho.

China aciona OMC contra tarifas dos EUA

A China entrará com um processo na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra as tarifas impostas pelos Estados Unidos, na guerra comercial. A informação foi divulgada na última segunda-feira (2) por meio de um comunicado do Ministério do Comércio chinês.

As novas tarifas, de US$ 300 bilhões sobre produtos chineses, impostas pelo governo norte-americano, entraram em vigor no último domingo (1). A OMC deverá analisar o pedido da China com base no contexto da guerra comercial.

Veja também: Fitch reavalia rating da Argentina de “RD” para “CC” 

“Em acordo com as regras relevantes da OMC, a China vai salvaguardar firmemente os seus direitos e interesses legítimos e defender resolutamente o sistema de comércio multilateral e a ordem internacional do comércio”, diz o comunicado divulgado pelo país asiático.

O país ressalta ainda que as tarifas violam o acordo realizado entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e o presidente chinês, Xi Jinping, em Osaka. Os dois mandatários se encontraram no Japão durante a cúpula do G20, no dia 29 de junho.

Acordo comercial com a China

Na última terça-feira (3), o presidente norte-americano afirmou que se ele for reeleito, o acordo comercial com a China será “mais duro”.

“Embora eu tenha certeza de que eles gostariam de lidar com um novo governo… mais 16 meses é um longo período para estar perdendo empregos e empresas”, escreveu Trump em uma rede social, reforçando o enfraquecimento da economia chinesa por conta da guerra comercial com os EUA.

Compartilhe a sua opinião

Juliano Passaro
Juliano Passaro escreve sobre política, economia e negócios para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou no Portal da Band. É formado em jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.