“Enquanto não tiver solução melhor, prefiro esse imposto de merda”, diz Guedes sobre CPMF

“Enquanto não tiver solução melhor, prefiro esse imposto de merda”, diz Guedes sobre CPMF
Guedes: "Quando câmbio vai descer? Quando atrairmos investimentos externos"

O atual ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nessa sexta-feira (16), durante um evento online, promovido pela XP, que não desistiu da ideia de criar um imposto sobre transações nos moldes da antiga Contribuição Provisória Movimentação Financeira (CPMF).

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Durante o evento, Guedes afirmou que “temos que desonerar o custo do trabalho. Enquanto as pessoas não vierem com uma solução melhor, eu prefiro esse imposto de merda”, comentando sobre CPMF.

Vale destacar que Guedes havia afirmado na última quinta-feira (15) que poderia desistir da ideia de criar um imposto dobre transações. No entanto, hoje, o economista afirmou que não desistiu da criação da “nova CPMF”.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Nesse sentido, ele explicou que deu a informação errada, “preciso me comunicar melhor”, destacou. Segundo o ministro, “há muito ruído, o governo deve se comunicar melhor”.

O economista ainda afirmou que esse imposto está sendo planejado para ser um substituto dos que são cobrados sobre os salários que as empresas pagam aos seus funcionários.

Frente a isso, Guedes salientou: “por que você acha que estamos pensando nessa coisa de merda? Você acha que liberais gostam de criar impostos? De maneira alguma. Só tem uma maneira razoável de pensar, é porque existe um pior funcionando hoje”.

Bolsonaro afirma que nova CPMF será criada apenas se substituir outro imposto

Vale lembrar que o atual presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), já havia dado sinal positivo, em meados de agosto, ao ministro da Economia para o debate do novo tributo, conhecido no Congresso como ‘nova Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF)’. No entanto, o mandatário disse que essa medida seria possível se houver substituição, redução ou extinção de outro imposto.

“Não tem aumento de carga tributária. Você pode substituir o imposto. O que falei para o Paulo Guedes: ‘ Você fala CPMF?’ Pode ser o imposto que você quiser. Você tem que ver para o outro lado o que vai deixar de existir. Se vai diminuir a tabela de Imposto de Renda, o percentual, se vai aumentar a isenção, se vai desonerar a folha de pagamento, vai também acabar com o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)“, disse Bolsonaro enquanto estava em uma padaria em Brasília.

Nas declarações, o presidente salientou que é necessário ouvir a população e o que ela deseja. “Eu falei para ele [Guedes], quando for apresentar a vocês, botar os dois lados da balança; Se o povo não quiser, não vou nem falar do Parlamento, porque nós e o Parlamento somos subordinados ao povo. Se o povo acha que não deve mexer, deixa como está”, afirmou o mandatário sobre a ‘nova CPMF

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião