Eneva (ENEV3) pode fazer nova oferta pela AES Tietê

Eneva (ENEV3) pode fazer nova oferta pela AES Tietê
A Eneva (ENEV3) anotou um lucro líquido de R$ 85,8 milhões no segundo trimestre desse ano.

A Eneva SA (ENEV3) afirmou, em fato relevante enviado ao mercado, na última terça-feira (30), que considera realizar uma nova oferta pela AES Tietê (TIET11). Isso porque o BNDESPar está próximo de se desfazer de sua participação na companhia.

“A administração da companhia, como é notório, entende que uma combinação de negócios envolvendo a Eneva e a AES Tietê Energia S.A. (“AES Tietê”) resultaria numa plataforma eficiente de ativos de geração de energia complementares, com grande diferencial competitivo, criando uma companhia capaz de desenvolver novos projetos necessários para atender, de maneira equilibrada e sustentável, o crescimento e a demanda de energia do país”, afirmou a Eneva em comunicado.

Em junho, o Banco Nacional Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou a contratação da BR Partners para se desfazer de sua parte na AES Tietê. Vale lembrar que a Eneva já tentou adquirir a AES Tietê, mas teve suas propostas rejeitadas pelo conselho de administração da companhia alvo da negociação. “Todavia, não há, neste momento, qualquer definição acerca dos termos e condições de eventual proposta, nem tampouco qualquer decisão do Conselho de Administração quanto ao tema”, informou a Eneva.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Em maio, a Eneva chegou a dizer que não apresentaria uma nova oferta de aquisição pela AES Tietê. A afirmação foi feita pelo CEO da empresa de geração de energia elétrica, Pedro Zinner.


“No atual momento, nossa decisão é realmente concentrar os esforços na execução de nosso plano estratégico. No momento não pretendemos apresentar uma nova proposta pela AES Tietê”, disse o presidente da Eneva em uma teleconferência sobre os resultados da empresa.

A proposta de fusão da Eneva com a AES poderia criar a segunda maior geradora privada de energia do País, com faturamento anual de cerca de R$ 5 bilhões.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião