Negócios

Enel registra prejuízo líquido de R$ 157 milhões

0

A Enel Distribuição São Paulo registrou um prejuízo líquido de R$ 157 milhões no quarto trimestre de 2018. A empresa de distribuição elétrica divulgou os resultados de seu quarto trimestre nesta terça-feira (26).

A perda registrada pela Enel – antiga Eletropaulo – foi 83,9% menor em relação ao mesmo período de 2017. No acumulado de 2018, a empresa registrou um prejuízo líquido de R$ 315,26 milhões. Um valor 64% menor em relação aos R$ 876,55 milhões registrados em 2017.

Saiba mais: Eletropaulo muda de nome para Enel Distribuição São Paulo 

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de R$ 218,36 milhões entre outubro e dezembro. Um resultado 38,7% menor do quanto registrado no ano anterior pela distribuidora paulista. No consolidado de 2018, o Ebitda foi de R$ 1,101 bilhão. Uma queda de 25,8% em relação ao resultado de 2017, que tinha sido de R$ 1,484 bilhão.

Saiba mais: Enel vende 3 usinas renováveis no Nordeste para empresa chinesa 

Relembre o caso

A Enel adquiriu a Eletropaulo em junho de 2018, mudando seu nome no final do mesmo ano. A aquisição ocorreu após uma dura disputa com a Neoenergia  e com a Energisa. A empresa italiana ganhou, pagando R$ 5,552 bilhões por 73% da distribuidora paulista, se tornando líder na distribuição de energia no Brasil.

A disputa pela Eletropaulo começou em março de 2018. A Enel fez uma oferta de valor desconhecido para obter a participação da AES no negócio. Em seguida, a Energisa fez um investida de R$ 19,38 por cada ação da empresa.

Saiba mais: Enel vai construir mega-parque de energia solar no Piauí 

Depois disso, a Neoenergia (grupo espanhol Iberdrola), entrou na disputa e passou a brigar com a Enel lance a lance. Por causa dos valores altos dados pelas rivais, a Energisa acabou desistindo do negócio.

A Neoenergia chegou a fechar um acordo com a Eletropaulo, mas a emissão dos papéis foi suspensa por causa de uma proposta ainda maior da Enel. Mas a empresa espanhola chegou a pedir uma arbitragem para evitar de perder o negócio.

Além disso, a disputa entre as empresas chegou até a União Europeia (UE). A Neoenergia alegou que a Enel tinha vantagem sendo uma estatal, e não competindo segundo as regras de mercado. Mas a companhia italiana declarou que as queixas feitas visavam apenas atrapalhar uma concorrência justa.

Com a compra do controle da Eletropaulo, a Enel passou a ser líder em distribuição de energia. Desta forma, ganhou 7 milhões de consumidores para sua base de clientes no Brasil, que alcançou 17 milhões.

A empresa italiana prometeu investir entre 2019 e 2021 R$ 3,1 bilhões de reais na distribuidora paulista. Os investimentos servirão para realizar melhorias na qualidade de serviço e também na instalação de equipamentos e sistema de telecontrole.

Esse sistema será utilizado para o monitoramento e gestão em tempo real das redes, gerando aumento na confiança e na eficiência. Além disso, a Enel atuará na modernização e digitalização da rede elétrica. Outra mudança será no aplicativo da distribuidora, que terá novas funções, por exemplo a renegociação de dívida. Entretanto, as soluções digitais serão oferecidas pela EnelX.

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.