Embraer (EMBR3) tem compra da Tempest aprovada pelo Cade

Embraer (EMBR3) tem compra da Tempest aprovada pelo Cade
O Cade anunciou, nesta quarta-feira (5), a aprovação da compra da Tempest Security Intelligence pela Embraer.

O Conselho Adminsistrativo de Defesa Econômica (Cade) anunciou, nesta quarta-feira (5), a aprovação da compra da Tempest Security Intelligence, empresa que presta serviços de tecnologia e cibersegurança, pela Embraer (EMBR3). O valor da transação não foi divulgado pelas empresas.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

No início deste mês, a Embraer adquiriu mais uma fatia da Tempest, se tornando a acionista majoritária da empresa. A fabricante de aeronaves já tinha participação indireta na empresa desde 2016 por meio do Fundo de Investimento em Participações (FIP) Aeroespacial, ao lado de BNDES, FINEP e Agência de Desenvolvimento Paulista (Desenvolve SP).

A Tempest, fundada em 2000, é uma companhia brasileira especializada em segurança cibernética e na prestação de serviços de infomações sobre inteligência. A companhia possui mais de 300 funcionários e postos em Recife, São Paulo e Londres.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

“Esta parceria é um marco para a Tempest, e estamos muito entusiasmados com os próximos passos. A robustez da Embraer vai nos ajudar a expandir essa missão para novos mercados”, disse Cristiano Lincoln Mattos, CEO e sócio-fundador da Tempest, em nota, quando o negócio foi revelado.

À época, o executivo comentou que o Brasil é o segundo do mundo com maior número de cibercrimes, ficando atrás apenas para a Rússia, fazendo com que as empresas brasileiras percam até US$ 10 bilhões (cerca de R$ 52,51 bilhões) por ano em crimes virtuais. A empresa continuará operando de forma autônoma, mantendo marca e time.

A Embraer, com a operação, fará a subscrição e integralização de novas ações ordinárias, e captará, diretamente dos acionistas, os papéis ordinários da Tempest.

O mercado que potencialmente será impactado por essa transação é o de serviços de tecnologia da informação. A Superintendência do Cade, no entanto, identificou que as empresas que realizam esse negócio possuem menos de 10% deste setor no País. Dessa forma, a aquisição por parte da fabricante de aviões não irá prejudicar a atuação de outras companhias que prestam o mesmo serviço da Tempest.

De acordo com a autarquia, as integrantes do grupo Tempest não desenvolvem atividades, nem mesmo oferecem produtos que possam ser vistos como insumos diretos para as operações da Embraer.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião