Mercado

Eletrobras reverte prejuízo de 2017 e tem melhor resultado em 20 anos

0

Eletrobras reverte prejuízo de 2017 e registra lucro líquido de R$ 13,348 milhões em 2018, segundo resultados divulgados nesta quinta-feira (28). Em 2017, o prejuízo foi de R$ 1,726 bilhão.

O lucro da Eletrobras é resultado do saldo positivo nas operações continuadas que somaram R$ 15,2 milhões. No entanto, o fechamento ficou na casa dos R$13 milhões, devido ao prejuízo de R$ 1.879 nas operações descontinuadas das subsidiárias.

Esse resultado foi o maior obtido pela empresa nos últimos 20 anos.

O Ebitda gerencial das operações continuadas registrou uma alta de 26%, saindo dos R$ 6.705 milhões adquiridos em 2017, para R$ 8.456 milhões em 2018. Além disso, a relação dívida líquida/ Ebitda ajustado da empresa atingiu 3,1 no índice, uma queda de 0,6 quando comparado ao ano anterior.

Saiba mais: União não será maior acionista da Eletrobras, diz ministro

Quarto trimestre de 2018

Durante o quarto trimestre de 2018, a companhia apresentou um lucro líquido de R$ 12,073 milhões. No mesmo período em 2017, a empresa havia obtido um prejuízo líquido de R$ 3.998 milhões.

No entanto, os principais fatores que levaram a Eletrobras a registrar o resultado positivo foi a reversão de provisões para contingências avaliadas em R$ 1.201 milhões, sendo que R$ 563 se referem a provisão para empréstimos compulsórios.

Venda das distribuidoras

Em dezembro último, a Eletrobras finalizou o leilão de seis de suas distribuidoras. Foram elas:

  • Cepisa;
  • Ceron;
  • Eletroacre;
  • Amazonas Energia;
  • Boa Vista Energia;
  • Ceal.

Ainda em 2016, a Eletrobras decidiu que não iria renova a concessão de suas distribuidoras. Dessa forma, o governo resolveu as seis empresas (citadas acima). No entanto, a empresa vinha operando as companhias temporariamente.

Em fevereiro de 2018, a assembleia da Eletrobras aprovou a venda das distribuidoras. Além disso, decidiu assumir R$ 11,2 bilhões em dívidas das empresas. A companhia ainda informou que, caso as empresas não fossem vendidas, elas seriam liquidadas, ou seja, suas operações seriam encerradas e a União assumiria a operação.

Eletrobras e a capitalização

No início deste mês, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou a Eletrobras não seria privatizada, mas sim capitalizada. De acordo com o ministro, o modelo seria “semelhante ao que ocorreu no passado com a Embraer“.

Saiba mais: Novo modelo de capitalização da Eletrobras deve ser definido até junho

O ministro ainda afirmou que a proposta do governo para capitalização da Eletrobras deve estar pronta até junho.

Compartilhe a sua opinião

Renan Bandeira
Renan Bandeira escreve sobre política e economia para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou em uma rede de televisão, onde fazia reportagens sobre os mesmos temas. Estuda na Universidade Metodista de São Paulo.