Mercado

Dólar abre em queda após realização de swaps cambiais pelo BC

0

O dólar abre em queda após o Banco Central (BC) anunciar que faria mais uma oferta de até US$ 1 bilhão em swaps cambiais.

Por volta das 9h30, nesta sexta-feira (14), o dólar variava negativamente a 0,164%, sendo negociado a R$ 4,3278. O mercado também está de olho na prévia do PIB, divulgado pelo BC, indicando um crescimento de 0,89% na economia brasileira em 2019.

Além disso, os investidores estão atentos à divulgação do IBGE acerca do desemprego por regiões no Brasil.

Swaps cambiais

O Banco Central  realizou na última quinta-feira (13) uma intervenção no mercado de câmbio. A medida ocorreu um dia após a cotação do dólar atingir um novo recorde, fechando em R$ 4,35.

A intervenção para conter a alta do dólar ocorreu por meio da oferta de 20 mil contratos de swaps cambiais. A venda equivale a US$ 1 bilhão, com vencimento em agosto, outubro e dezembro deste ano. Além disso, o BC também ofertou 13 mil contratos com rolagem em abril. Entretanto, somente 10,5 mil foram adquiridos no pregão.

A autoridade monetária informou que faria outra oferta de 20 mil contratos nesta sexta-feira (14), com a intenção de permanecer contendo a alta da valorização da moeda norte-americana frente ao real.

IBC-Br

O indicador de atividade econômica considerado a prévia do Produto Interno Bruto (PIB) demonstra que a economia brasileira cresceu 0,89% em 2019. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (14) pelo Banco Central (BC).

Dessa forma, o estudo indica que a economia brasileira cresceu pelo terceiro ano seguido após a recessão de 2015 e 2016. No entanto, sinaliza que, em comparação a 2018, quando o crescimento do PIB foi de 1,3%, houve uma retração.

Confira: Banco Central enxerga avanço gradual na economia brasileira

O Banco Central apontou uma série de acontecimentos em 2019 que influenciaram o desenvolvimento da economia, tais como o rompimento da barragem da Vale (VALE3) em Brumadinho, Minas Gerais.

Além disso, a guerra comercial entre China e Estados Unidos, a recessão argentina também contribuíram para uma retração de de 0,67% ao PIB.

Desemprego

A taxa de desemprego no Brasil teve queda em 16 estados, que apresentaram uma melhora no indicador em linha com a média nacional que saiu de 12,3% em 2018 para 11,9% em 2019. As menores taxas de desemprego foram em:

  • Santa Catarina
  • Rondônia
  • Rio Grande do Sul
  • Mato Grosso do Sul
  • Mato Grosso

Em contrapartida, os estados com maiores taxas de desemprego foram Amapá (17,4%) e Bahia (17,2%). Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) e foram divulgados pelo IBGE na manhã desta sexta-feira (14).

Veja mais: PIB de 2020 crescerá 2,20%, mas existe risco de baixa, diz Itaú

A taxa de informalidade chegou ao seu maior nível desde 2016 (41,1%) e foi recorde em 20 estados. Com isso, o número de colaboradores sem carteira assinada e por conta própria bateu recorde.

Última cotação do dólar

Na última sessão, quinta-feira, o dólar encerrou em queda de 0,345%, negociado a R$ 4,3356.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.