Mercado

Dólar sobe ante o real nesta segunda-feira

0

O dólar subia ante o real nas primeiras horas de abertura da Bolsa de Valores (BM&F Bovespa) nesta segunda-feira (26).

No cenário interno do país, investidores seguem em busca de novas informações acerca do Governo Bolsonaro. A volatilidade política, bem como a aversão a riscos de alguns investidores, impulsionam o dólar para cima. 

Saiba mais – Ibovespa abre segunda com alta de +0,67%, após queda na última sexta 

Já o cenário internacional segue relativamente calmo com o acordo entre líderes europeus para o Brexit. Em paralelo, há também a possível redução da meta de déficit orçamentário da Itália para 2019.

Às 10h23 (horário de Brasília), o dólar avançava 0,54% nas vendas, alcançando R$ 3,8427. O dólar futuro tinha alta de 0,35%.

A última sessão fechou com alta de 0,41% para a moeda norte-americana, que encerrou o pregão sendo comercializada a R$ 3,8222.

Veja a agenda dos principais acontecimentos da semana:

Cenário externo

Nesta manhã, o dólar operava em alta ante o peso chileno e em queda ante a lira turca.

  • Brexit: o euro operava em alta nesta manhã, após o acordo entre a União Europeia e o Reino Unido para o Brexit.
  • FED: o Federal Reserve (FED), banco central norte-americano, realizará na próxima quinta-feira (29) o último encontro de política monetária. A expectativa do mercado é que a instituição suavize a alta nos juros.
  • Reunião de presidentes: o presidente dos EUA, Donald Trump, e o presidente chinês, Xi Jinping, terão uma reunião na cúpula do G20 no próximo fim de semana. A expectativa do mercado é que um acordo seja feito entre os dois países para dar fim à guerra comercial.

Saiba mais – Mercado reduz previsão para a inflação, de acordo com boletim Focus

Cenário Interno

  • Banco Central: realiza nesta sessão o leilão de 13,6 mil swaps cambiais tradicionais, que equivalem à futura venda de dólares para rolagem do vencimento de dezembro. O total é de US$ 12.217 bilhões.
  • Boletim Focus: a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu de 4,13% para 3,94% , enquanto a taxa Selic mantém-se estável a 6,5% na previsão dos economistas. O diferencial entre os juros dos EUA e do Brasil auxiliam na trajetória da alta do dólar ante o real.

Compartilhe a sua opinião

Amanda Gushiken
Amanda Sayuri Gushiken escreve sobre finanças e negócios para o portal Suno Notícias. Antes, trabalhou selecionando notícias da imprensa para clientes do mercado financeiro. Também desenvolveu pesquisa acadêmica pela Universidade Anhembi Morumbi na área de Teorias da Comunicação e é fotógrafa nas horas vagas.