Mercado

Dólar encerra em queda com possível acordo comercial entre EUA e China

0

O dólar encerrou esta sexta-feira (20) em queda de 0,257%. A queda foi motivada pela declaração do presidente norte-americano, Donald Trumpsobre sua intenção de concluir um acordo com a China.

No fechamento do mercado, o dólar negociava a R$ 4,1535 na venda. A cotação máxima do dia foi de R$ 4,1820, por volta das 11h10. A mínima foi de R$ 4,1520, às 16h50.

Os investidores reagiram às novas sanções impostas pelos Estados Unidos ao Irã.  Além disso, os resultados positivos da Huawei ante a Apple, por conta da guerra comercial, movimentaram o mercado.

Acordo comercial

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que possui intenção de concluir um acordo com a China. Um possível acordo terminaria a guerra comercial entre EUA e China que ocorre desde 2017.

Saiba mais: Queremos concluir acordo comercial com a China, diz Trump

“Não estou pensando em um acordo parcial. Queremos concluir as negociações para um acordo definitivo”, declarou Trump.

O mandatário afirmou que a necessidade de maiores garantias por parte dos chineses em relação a proteção à propriedade intelectual é um dos pontos essenciais para o acordo.

Além disso, Trump ressaltou que o recente aumento das compras de produtos agrícolas americanos pelos chineses “não é suficiente”.

Novas sanções impostas ao Irã

Os Estados Unidos anunciaram novas sanções ao Irã. Segundo Steve Mnuchin, secretário do Tesouro americano, as novas sanções cortam a última fonte remanescente de recursos para o Irã.

Saiba mais: Estados Unidos impõem novas sanções ao Irã

O Banco Nacional do Irã foi alvo das sanções por conta dos ataques à Saudi Aramco, que prejudicou a produção de petróleo da estatal saudita.

Os Estados Unidos afirmam que os ataques às instalações petrolíferas foram ordenadas por Teerã. O presidente Donald Trump declarou que o que está acontecendo com o Irã é muito ruim. “Tudo o que eles têm fazer é parar com o terrorismo”, ressaltou o mandatário.

Apple e Huawei no mercado chinês

A Apple despencou da 11ª posição para o 24º lugar dentre as 50 principais marcas do mercado chinês, segundo a consultoria Prophet.

Saiba mais: Guerra comercial faz com que Huawei esteja à frente da Apple no mercado chinês

A queda da gigante norte-americana se tornou mais significativa quando a concorrente, especialmente no mercado asiático, a gigante Huawei, subiu da 4ª para a 2ª posição, se tornando a sétima empresa a ocupar o top 10 do estudo.

De acordo com analistas do mercado, a participação da Apple no mercado chinês foi reduzida por conta da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

Última cotação do dólar

Na última sessão, quinta-feira (20), o dólar encerrou em alta de 1,497%, sendo negociado a R$ 4,1642.

Compartilhe a sua opinião

Giovanna Almeida
Giovanna Oliveira escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, foi repórter do portal de jornalismo da ESPM-SP e produziu conteúdo para a Corinthians TV. É estudante da ESPM.