Mercado

Dólar encerra em queda de 0,75%, cotado em R$ 4,99

0

O dólar encerrou nesta quinta-feira (26) em queda de 0,749%, negociado a R$ 4,9957 na venda. Esta é a primeira vez que a moeda norte-americana encerra abaixo de R$ 5 desde o dia 13 de março.

O otimismo dos investidores ocorre após o Senado dos Estados Unidos aprovar o pacote de estímulos de US$ 2 trilhões que já havia sido rejeitado duas vezes nesta semana. Confira quais foram as outras notícias que movimentaram o mercado e influenciaram a cotação do dólar desta quinta:

  • G20 diz que injetará US$ 5 tri na economia para enfrentar coronavírus;
  • IBC-Br, prévia do PIB, apresenta alta de 0,24% em janeiro.

Senado dos EUA aprova pacote de estímulos

O Senado dos Estados Unidos aprovou, na noite da última quarta-feira (25), o pacote de estímulos à economia de US$ 2 trilhões (R$ 10,07 trilhões) em combate ao coronavírus. O texto ainda deverá ser aprovada na Câmara dos Representantes, controlada majoritariamente pelos democratas, antes de ser assinada por Trump.

Depois de longas negociações entre os congressistas republicanos e democratas, que rejeitaram por duas vezes propostas anteriores, o texto endossado pelo presidente Donald Trump prevê o auxílio a trabalhadores, empresas e o sistema de saúde. O governo estadunidense já sente o impacto econômico causado pelo coronavírus.

O líder democrata no Senado, Chuck Schumer, disse que o acordo representa o “maior pacote de resgate na história norte-americana, a comparando com o Plano Marshall. O democrata faz alusão ao plano de ajuda dos Estados Unidos aos países destruídos após a Segunda Guerra Mundial.

G20 injetará US$ 5 tri na economia

O G20 irá injetar US$ 5 trilhões (R$ 24,91 trilhões) na economia global para ajudar no combate ao coronavírus. As 20 nações mais ricas do planeta se reuniram de forma virtual nesta quinta-feira em um encontro extraordinário.

Saiba mais: G20 diz que injetará US$ 5 tri na economia para enfrentar coronavírus

O grupo liderado pela Arábia Saudita neste ano afirmou, em declaração oficial, que fará o que for necessário para enfrentar o avanço da pandemia do coronavírus e garantir empregos, e está buscando recursos para isso.

Além disso, o G20 se propôs a compartilhar informações epidemiológicas e do âmbito da saúde, sustentar os sistemas públicos de saúde e elevar a capacidade de produção de materiais médicos.

IBC-Br

O IBC-Br, a prévia do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, apresentou um crescimento de 0,24% em janeiro deste ano. No acumulado dos últimos 12 meses, o IBC-Br reportou um avanço de 0,86%.

Saiba mais: IBC-Br, prévia do PIB, apresenta alta de 0,24% em janeiro

O indicador veio abaixo da mediana que os economistas ouvidos pela agência de notícias “Bloomberg” esperavam, que era um crescimento de 0,40%. O resultado foi determinado após um ajuste sazonal (uma maneira de “compensação” para levar em consideração períodos distintos).

O BC salientou que o mês de janeiro foi o melhor registrado para a indústria brasileira nos últimos três anos, com um avanço de 0,9%, respondendo a taxas negativas dos últimos dois meses. No entanto, segundo a autoridade monetária central, o setor não demonstrava uma mudança de tendência.

Última cotação do dólar

Na última sessão, quarta-feira (25), o dólar encerrou em queda de 0,933%, negociado a R$ 5,0334 na venda.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Giovanna Oliveira
Giovanna Oliveira escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, foi repórter do portal de jornalismo da ESPM-SP e produziu conteúdo para a Corinthians TV. É estudante da ESPM.