Dólar abre em queda de 0,3%, de olho na produção industrial

Dólar abre em queda de 0,3%, de olho na produção industrial
Dólar encerra em queda de % após entrega da reforma tributária

O dólar abriu em leve queda nesta quinta-feira (2). Nesta manhã, o IBGE informou que a produção industrial avançou 7% em maio, em comparação a abril.

Por volta das 9h20, o dólar operava negativamente 0,312%, sendo negociado a R$ 5,3014 na venda. Segundo o IIF, o fluxo de investimentos em mercados emergentes cresceu em junho.

Além disso, os investidores seguem atentos aos esforços do Congresso dos EUA em retomar a economia em meio à pandemia.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Produção industrial avança

A produção industrial avançou 7% em maio, em relação a abril. Em comparação ao mesmo período do ano do ano passado, houve um recuo de 21,9%. Tratando-se de comparação anual entre os meses, este é sétimo resultado negativo.

O avanço da produção industrial em maio interrompeu dois meses de resultados negativos consecutivos, sendo -9,2% em março e -18,8% em abril. Os dados foram apurados e divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quinta.

Com o crescimento em maio, o setor também recuperou pouco mais de um terço da queda de abril, o qual foi o mês mais impactado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A expansão de 7,0% em maio foi a mais elevada desde junho de 2018, quando foi registrado um avanço de 12,9%.

“O comportamento positivo foi disseminado, explicado especialmente pelo aumento do ritmo produtivo, após os meses de março e abril refletirem o aprofundamento das paralisações ocorridas em diversas plantas industriais, por conta do movimento de isolamento social em função da pandemia da Covid-19”, avaliou o Instituto.

Portfólios de mercados emergentes em alta

Os fluxos de portfólio para os mercados emergentes ficaram positivo em US$ 32,9 bilhões (cerca de R$ 172,4 bilhões) em junho, de acordo com dados divulgados pelo Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) na última quarta-feira (1).

Segundo o instituto, US$ 23,5 bilhões desse total são referentes a entradas no mercado de dívida dos emergentes, ao passo que para ações registrou-se um resultado de US$ 9,4 bilhões.

Desses, US$ 6,1 bilhões foram somente para a China e outros US$ 3,4 bilhões para demais países. No mesmo sentido, o continente asiático como um todo atraiu em junho US$ 5,6 bilhões, seguida da América Latina (US$ 2,3 bilhões); Europa emergente (US$ 1,1 bilhão); e África e Oriente Médio (US$ 400 milhões).

Saiba mais: XP Inc. precifica follow-on em US$ 42,50, diz jornal

“O sentimento negativo em relação aos mercados emergentes se aproximou de níveis extremos em março, o que depois abriu espaço para um período de estabilização e discussões mais equilibradas sobre riscos e oportunidades. Temos visto emissores soberanos da maioria das regiões emergentes conseguindo reduzir custos e alongar vencimentos”, avaliou o IIF.

Pacote de investimento em infraestrutura nos EUA

A Câmara dos EUA aprovou, na última quarta, um pacote de estímulo na infraestrutura de US$ 1,5 trilhão (cerca de R$ 7,98 trilhões) para reconstruir as estradas, ferrovias e escolas do país.  O pacote de estímulo será dividido da seguinte forma:

  • Mais de US$ 300 bilhões para reparação de pontes e estradas;
  • US$ 130 bilhões para escolas que educam crianças de baixa renda;
  • Mais de US$ 100 bilhões para a construção ou preservação de moradias populares;
  • US$ 100 bilhões na expansão do acesso à Internet de banda larga.

Além disso, aproximadamente quarenta dos democratas da Câmara dos EUA se uniram aos republicanos para aprovar uma emenda de última hora à legislação no plenário norte-americano. A mudança visa impedir o governo de usar os recursos da conta pública para honrar contratos com empresas estatais chinesas.

Os republicanos se opõem à legislação, que também inclui uma série de medidas destinadas a combater as mudanças climáticas. A Casa Branca informou que o presidente Donald Trump a vetaria se chegasse à sua mesa.

Última cotação do dólar

Na sessão da última quarta, o dólar encerrou o pregão em queda de 2,243%, negociado a R$ 5,318 na venda.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião