Dólar inicia em queda; pacote fiscal norte-americano no radar

Dólar inicia em queda; pacote fiscal norte-americano no radar
Por volta das 9h20, o dólar registrava queda de 0,21%, sendo negociado a R$ 5,569.

O dólar abriu em leve queda nesta quinta-feira (1). Por volta das 9h10, a moeda estadunidese recuava 0,34%, a R$ 5,5923 . Segue no radar do mercado o pacote fiscal norte-americano de US$ 2,2 trilhões (cerca de R$ 12,29 trilhões), que teve a votação adiada na última quarta-feira (30), além das contínuas indefinições acerca da implementação do programa social Renda Cidadã.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

A cotação do dólar opera estável nesta semana, com alta de pouco menos de 1%; no ano, porém, a valorização frente ao real chega a 37%. A cotação da moeda foi elevada em meio à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), e, em função disso, o Congresso dos Estados Unidos estuda mais um pacote de estímulos fiscais para sustentar a economia norte-americana.

Na última quarta, os democratas da Câmara dos Estados Unidos postergaram a votação do pacote de US$ 2,2 trilhões, alegando a necessidade de mais tempo para um acordo com os republicanos e a Casa Branca. O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e a presidente da Câmara, democrata Nancy Pelosi, disseram que não conseguiram chegar a um acordo, mas que “nossas conversas vão continuar”.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Alguns representantes republicanos e grande parte dos democratas pressionam por outra rodada de estímulos econômicos há meses, mas permaneceram distantes pelo montante considerado adequado. Os democratas dizem que o pacote de US$ 2,2 trilhões agora proposto é necessário para apoiar famílias e empresas estadunidenses que ainda sofrem com a pandemia.

No que se refere ao front nacional, o mercado segue atento à situação fiscal do País. O governo procura ajustar o projeto do Renda Cidadã, programa que substituirá o Bolsa Família. Na última quarta, após uma reunião de emergência, membros do governo e do Ministério da Economia saíram sem falar com jornalistas. Mais cedo, o chefe da pasta econômica, Paulo Guedes, disse que o governo não usaria dinheiro de precatórios para financiar o programa.

Guedes chamou a alternativa proposta de “puxadinho”. Quando anunciada, a medida foi criticada por diversos atores da sociedade civil, visando uma possível pedalada fiscal. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) já disse que entender a ideia do governo como inconstitucional.

Quanto à reforma tributária, existe a expectativa de que a análise e votação da proposta seja adiada para o ano que vem, em função da proximidade das eleições municipais. Isso reduz a disponibilidade das lideranças políticas para o debate da reforma, segundo o jornal “Folha de S.Paulo”.

Ainda no âmbito político e econômico, o mercado acompanha a troca de farpas entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e Guedes. De acordo com a “Folha”, o ministro da Economia disse que Maia havia feito um acordo com representantes da esquerda para não pautar as privatizações. O presidente da Casa, por sua vez, rebateu dizendo que “Guedes está desequilibrado”.

Última cotação do dólar

Da mesma forma que o dólar hoje, a moeda norte-americana encerrou o pregão na última quarta-feira em queda de 0,44%, negociado a R$ 5,616 na venda.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião