Dólar inicia a semana em alta de 1,5%, sendo negociado a R$ 5,23

Dólar inicia a semana em alta de 1,5%, sendo negociado a R$ 5,23
Por volta das 9h20, o dólar operava em leve queda de 0,65%, sendo negociado a R$ 5,2392.

O dólar inicia a semana em alta acompanhando os dados industriais da zona do euro, a escalada de tensão entre as duas maiores economias, previsão do PIB Brasil para 2020 e o debate da ‘nova CPMF’.

Por volta das 9h30, nesta segunda-feira (3), o dólar operava em alta de 1,504%, sendo negociado a R$ 5,2335. O mercado acionário monitora os dados positivos dos setores industriais da China e dos países da zona do euro. Além disso, segue no radar dos investidores a escalada de tensão entre China e EUA, após o secretário de Estado norte-americano afirmar que o governo vai anunciar medidas contra o TikTok e outras plataformas chinesas.

No Brasil, a atenção está voltada para a reforma tributária e a criação de um novo tributo, o presidente da República deu aval ao ministro da Economia, no entanto, exige que o novo imposto substitua algum já existente. Além disso, os responsáveis pela elaboração do Boletim Focus, reduziram novamente a previsão de contração do crescimento econômico brasileiro.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

Dados do setor industrial

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, sigla em inglês) da zona do euro veio acima da expectativa do mercado. O indicador ficou em 51,8 pontos em julho, quando os especialistas esperavam 51,1. Em junho, o índice apontou 47,4 pontos.

No Reino Unido, a leitura foi próxima a projeção, 53,3 pontos, ante estimativa de 53,6. Em junho foi de 50,1. Por sua vez, na China, o índice ficou em 52,8, ante projeção de 51,3 pontos. Pontuações acima de 50 indicam crescimento da atividade econômica.

EUA x China

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Michael Pompeo, afirmou no último domingo (2) que o governo de Donald Trump deverá anunciar em breve medidas contra “uma ampla variedade” de softwares de propriedade chinesa que representam “riscos à segurança nacional”. Pompeo falou em entrevista ao Fox News Channel, no programa Sunday Mornings Futures.

De acordo com o secretário, os aplicativos chineses “seja TikTok ou WeChat” estão fornecendo dados norte-americanos diretamente às autoridade da China. Além dos apps citados acima, Pompeo afirmou que “existem inúmeras outras”.

Na última sexta-feira (31), Trump anunciou que o TikTok será proibido nos EUA. A decisão de banir o aplicativo foi tomada após as autoridades indicarem a possibilidade da plataforma ser usada pela inteligência chinesa como ferramenta de espionagem. “Em relação ao TikTok, vamos proibi-los nos EUA”, disse Trump.

Bolsonaro e ‘nova CPMF’

O presidente da República Jair Bolsonaro afirmou no último domingo que deu sinal positivo ao ministro da Economia, Paulo Guedes, para o debate de um novo tributo, conhecido no Congresso como ‘nova Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF)’. No entanto, o mandatário disse que essa medida será possível se houver substituição, redução ou extinção de outro imposto.

“Não tem aumento de carga tributária. Você pode substituir o imposto. O que falei para o Paulo Guedes: ‘ Você fala CPMF?’ Pode ser o imposto que você quiser. Você tem que ver para o outro lado o que vai deixar de existir. Se vai diminuir a tabela de Imposto de Renda, o percentual, se vai aumentar a isenção, se vai desonerar a folha de pagamento, vai também acabar com o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)”, disse Bolsonaro enquanto estava em uma padaria em Brasília.

Nas declarações, o presidente salientou que é necessário ouvir a população e o que ela deseja. “Eu falei para ele [Guedes], quando for apresentar a vocês, botar os dois lados da balança; Se o povo não quiser, não vou nem falar do Parlamento, porque nós e o Parlamento somos subordinados ao povo. Se o povo acha que não deve mexer, deixa como está”, afirmou o mandatário.

Boletim Focus

Os responsáveis pela elaboração do Boletim Focus diminuíram, mais uma vez, suas projeções para a queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 2020. A estimativa divulgada nesta segunda-feira (03) é de uma contração de 5,66% na economia brasileira, ante 5,77% na última segunda-feira (27).

Há quatro semanas, entretanto, o Boletim Focus estimava uma baixa de 6,50%. Essa é a quinta semana consecutiva de melhora nas estimativas. No primeiro trimestre deste ano, a economia do País caiu 1,5%, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado do segundo trimestre será divulgado em 1º de setembro.

O relatório divulgado pelo Banco Central (BC) semanalmente, no início do ano, projetava um crescimento de 2,30% da economia do Brasil. Os profissionais do mercado, todavia, não esperavam pelo forte impacto da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Brasil. Para 2021, os economistas permanecem com a estimativa de um crescimento de 3,50% pela nona semana consecutiva.

Última cotação dólar

Na última sessão, sexta-feira, o dólar encerrou o pregão em alta de 1,151% para R$ 5,22.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião