Dólar abre em alta de 0,599%, negociado a R$ 5,20

Dólar abre em alta de 0,599%, negociado a R$ 5,20
Por volta das 9h20, o dólar registrava queda de 0,47%, sendo negociado a R$ 5,53.

O dólar abriu em alta nesta quinta-feira (30). Por volta das 9h20, a moeda estadunidense operava positivamente 0,599%, sendo negociada a R$ 5,2033 na venda, de olho nas decisões de política monetária dos Estados Unidos.

Na última quarta-feira (29), o Fed decidiu manter a taxa básica de juros do país próxima de zero, estipulada em março deste ano, em meio às tentativas de estímulo à economia em resposta ao coronavírus.

Além disso, o mercado segue atento aos impactos da pandemia na economia global; o PIB alemão caiu 10,1% no segundo trimestre, enquanto a confiança do consumidor no Brasil cresceu em julho.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Dólar sobe com a manutenção da taxa de juros nos EUA

O Federal Reserve (Fed), Banco Central dos Estados Unidos, manteve a taxa de juros básica da economia entre 0% e 0,25%. A decisão foi tomada na última quarta-feira após a reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês).

A autoridade monetária central norte-americana havia reduzido a taxa de juros para esse patamar no dia 15 de março, de forma emergencial. No mesmo dia, o BC estadunidense anunciou um pacote de estímulos à economia por conta do avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), com um valor de US$ 700 bilhões (cerca de R$ 4 trilhões) para sustentar a atividade econômica.

Os diretores do Federal Reserve decidiram, de forma unânime, deixar a taxa básica de juros inalterada perto de zero e voltaram a dizer que usarão todas as suas ferramentas disponíveis para apoiar a economia do país em meio a uma recuperação instável.

Em entrevista coletiva, o presidente do Fed, Jerome Powell, disse que embora os bancos estadunidenses estejam bem capitalizados, um relaxamento temporário nos índices de alavancagem das instituições financeiras pode contribuir para o crédito na economia.

Economia alemã tomba no 2T20

A Alemanha registrou uma queda histórica de 10,1% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2020. De acordo com os dados da Destatis (Escritório Federal de Estatísticas), publicados nesta quinta-feira, a baixa significativa ocorreu em razão das medidas de restrições aplicadas para conter a propagação da pandemia.

Em comparação com o mesmo período no ano passado, a principal economia da Europa registrou queda de 11,7%. Antes, o recorde era baixa de 4,7% no primeiro trimestre de 2009, quando o país enfrentava a crise financeira mundial gerada pelos subprime.

Confira: BCE pede aos bancos europeus que não paguem dividendos em 2020

A economia alemã impôs o confinamento social o que resultou na paralisação de alguns setores econômicos e na redução de comércios. “No segundo trimestre, tanto as exportações como as importações de bens e serviços registraram forte queda”, destacou o escritório.

Em maio, a produção industrial da Alemanha já havia crescido 7,8% em comparação a abril. O resultado do indicador, que compõe a produção em manufatura, energia e construção do país, pode representar uma recuperação já em curso, embora os números possuam um ajuste sazonal.

Confiança do comércio sobe 12,2 pontos

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) registrou avanço de 12,2 pontos em julho, atingindo 89,8 pontos. De acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV), na última quarta-feira, esse resultado corresponde a segunda maior variação positiva da série histórica.

Após quatro meses em queda, o indicador voltou a apresentar crescimento em médias móveis trimestrais, de 65,7 pontos para 76,3 pontos.

Neste mês, 18 dos 19 segmentos industriais pesquisados apontaram aumento na confiança da indústria. “O resultado decorre de melhor avaliação dos empresários em relação ao momento presente e, principalmente, diminuição do pessimismo para os próximos três e seis meses”, diz a FGV.

Saiba mais: Banco Central anuncia o lançamento de cédula de 200 reais

“Em julho, a confiança da indústria de transformação segue avançando impulsionada pela diminuição do pessimismo para os próximos três meses. Porém, os indicadores que medem a situação atual mostram que o grau de insatisfação com o momento presente permanece elevado”, salientou a instituição.

Última cotação do dólar

Na sessão da última quarta-feira, o dólar encerrou o pregão em alta de 0,29%, negociado a R$ 5,172 na venda.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião