Dólar fecha em alta de 0,5%, a R$ 5,623, com fiscal e Trump

Dólar fecha em alta de 0,5%, a R$ 5,623, com fiscal e Trump
Por volta das 9h20, nesta terça-feira (20), o dólar subia a 0,23%, negociado a R$ 5,602.

O dólar hoje encerrou a sessão em alta de 0,5%, cotado a R$ 5,623, com os investidores atentos ao cenário fiscal doméstico e as repercussões relacionadas à fala do presidente norte-americano Donald Trump na véspera.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

A moeda americana voltou a subir nesta quarta-feira (7) ecoando as declarações do presidente norte-americano sobre congelar as negociações para um pacote de estímulo fiscal até as eleições presidenciais, previstas para novembro. O dólar, nesse sentido, refletiu a recepção negativa dos mercados, que esperavam novas medidas para conter os impactos da pandemia no país.

Enquanto isso, no Brasil, as discussões continuaram contemplando o financiamento do novo programa do governo federal Renda Cidadã, enquanto os investidores avaliam as incertezas no que concerne à saúde das contas públicas e andamento da agenda de reformas estruturais.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Na última terça-feira (7), o senador Márcio Bittar (MDB-AC) afirmou que a proposta para o novo programa social deve estar pronta na próxima semana, “se Deus quiser”.

Além disso, vejas notícias que afetaram a cotação do dólar nesta quarta:

  • Retomada total do trabalho depende de reabertura sustentável, diz Fed
  • Pelosi conversou com Mnuchin sobre estímulo a aéreas
  • Guedes descarta prorrogação do coronavoucher para 2021

Fed defende reabertura sustentável

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) comunicou que no geral, há consenso de que um aumento “substancial” nos postos de trabalho dependerá de uma reabertura “sustentável” dos negócios.

De acordo com o Fed, a economia dos Estados Unidos vem se recuperando da crise, com o mercado de trabalho americano voltando aos seus valores normais, pontuando que, em agosto, metade dos 22 milhões de postos perdidos em março e abril já haviam sido retomados.

O ganho até agora nos empregos foi maior do que o esperado, entretanto os dirigentes avaliam que há um “longo caminho” até uma restauração completa.

Pelosi e Mnuchin sobre estímulo a aéreas

O porta-voz da presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, afirmou que a parlamentar , em conjunto com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, conversaram por telefone sobre um projeto de lei para garantir estímulos às companhias aéreas.

Pelosi comentou com Mnuchin o fato de que os republicanos haviam bloqueado essa lei na última sexta-feira (2) e pediu que o secretário do Tesouro dos EUA revisasse esse projeto “para que eles pudessem ter uma conversa informada”.

Nada de coronavoucher em 2021

O ministro da economia, Paulo Guedes, negou rumores referentes à possibilidade de ocorrer a prorrogação da concessão do auxílio emergencial, apelidado de coronavoucher, para o próximo ano.

O ministro declarou que “tem um plano emergencial e o decreto de calamidade que vão até o fim do ano. E no fim de dezembro acabou tudo isso”, acrescentando que “o ministro da Economia está descredenciando qualquer informação de que vai prorrogar o auxílio”.

Última cotação do dólar

Da mesma forma que o dólar hoje, a moeda americana fechou a sessão da última terça-feira (7) em alta de 0,52%, negociado a R$ 5,5950.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião