Mercado

Dólar fecha em alta de +0,997% e chega a maior valor desde set/18

0

O dólar encerrou nesta segunda-feira (02) em alta de +0,997% com sua venda a R$ 4,1834. A moeda norte-americana chegou ao maior valor desde setembro de 2018.

O dólar subiu devido a vários fatores. O principal deles, o anúncio da China que entrará com um processo na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra as tarifas impostas pelos EUA.

Além disso, contribuíram para a alta: A divulgação do Boletim Focus que diz que o PIB brasileiro deve crescer apenas 0,87% em 2019 e a Nestlé ter informado que está repensando a compra de subprodutos de carne e cacau da região amazônica.

Guerra comercial

A China entrará com um processo na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra as tarifas impostas pelos Estados Unidos, na guerra comercial. A informação foi divulgada por meio de um comunicado do Ministério do Comércio chinês.

Saiba mais: Guerra comercial: China aciona OMC contra tarifas dos Estados Unidos

As novas tarifas, de US$ 300 bilhões sobre produtos chineses, impostas pelo governo norte-americano entraram em vigor no último domingo (1). A OMC deverá analisar o pedido da China com base no contexto da guerra comercial.

Boletim Focus

Os economistas entrevistados pelo Banco Central (BC) no Boletim Focus elevaram a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019. Segundo o Boletim divulgado nesta segunda-feira (2), a economia brasileira deverá crescer 0,87% esse ano.

A previsão do Boletim Focus da última segunda-feira (26) indicava um crescimento do PIB de apenas 0,80% em 2019. No começo do ano, os analistas indicavam um crescimento 2,6% para este ano.

Saiba mais: Boletim Focus aumenta prévia para crescimento do PIB

A previsão de crescimento para 2020 permanece em 2,10%. As previsões estão próximas à projeção oficial do Banco Central e também do ministério da Economia.

Nestlé repensará compra de subprodutos da Amazônia

A líder mundial do segmento agro-alimentar, Nestlé, informou que está repensando a compra de subprodutos de carne e cacau da região amazônica. A empresa afirma estar “profundamente preocupada” com os incêndios na floresta.

Saiba mais: Nestlé está repensando a compra de produtos da região amazônica

A Nestlé compra óleo de palma, soja, carne e cacau de estados localizados no bioma Amazônia .A multinacional suíça procura se precaver de uma imagem negativa que poderia ocorrer com uma eventual suspeita de que contribui para o desmatamento.

Última cotação do dólar

Na última sessão, na sexta-feira (30), o dólar fechou em alta de -0,71% sendo negociado a 4,1412 na venda.

Compartilhe a sua opinião

Rafael Lara
Rafael Lara cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Escreve sobre política, economia e negócios para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na TV Gazeta na produção do programa Edição Extra.