Dólar encerra em alta de 1,25%, cotado em R$ 5,682

Dólar encerra em alta de 1,25%, cotado em R$ 5,682
Na última sessão, sexta-feira (20), o dólar encerrou em alta de 1,35%, negociado a R$5,38. 

O dólar encerrou nessa terça-feira (27) em alta de 1,25%, negociado a R$ 5,682 na venda.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

O dólar hoje abriu em leve alta enquanto o mercado acompanhava o avanço do novo coronavírus (covid-19) na Europa e o pacote de estímulos dos Estados Unidos.

Já durante o dia, seguiu no radar dos investidores a Dívida Pública Federal (DPF), que registrou um crescimento de 2,59% em setembro deste ano ante o mês de agosto, para R$ 4,527 trilhões.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Além disso, confira as principais notícias que movimentaram o mercado nessa terça-feira:

  • EUA: Trump diz que pacote de alívio deve ocorrer após eleição
  • Dívida pública federal sobe 2,59% em setembro e chega a R$ 4,527 tri
  • Copom deve manter Selic a 2%, mas risco fiscal acende alerta
  • Última cotação do dólar

Pacote de alívio segue no radar e puxa o dólar

O atual presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou, nessa terça-feira, que após as eleições em 3 de novembro, é provável que haja um novo pacote de estímulo ao coronavírus.

De acordo afirmou o presidente dos EUA “após a eleição, teremos o melhor pacote de estímulo que você já viu”.

Além disso, na ocasião, o mandatário atribuiu a culpa pelo atraso do pacote de gastos federais a presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi.

Dívida pública federal chega a R$ 4,527 tri

O Tesouro Nacional informou nesta terça-feira que a Dívida Pública Federal (DPF), que inclui débitos do governo no Brasil e no exterior, registrou um crescimento de 2,59% em setembro deste ano ante o mês de agosto, para R$ 4,527 trilhões.

A dívida pública é emitida pelo Tesouro a fim de custear o déficit orçamentário do governo federal para, com isso, quitar despesas superiores a arrecadação com impostos e tributos. Em agosto, a dívida pública federal subiu 1,56% em agosto, somando R$ 4,412 trilhões.

De acordo com o Tesouro, o avanço da dívida em setembro se deve por conta da alta nas emissões de títulos públicos, que corresponderam a R$ 155,27 bilhões, enquanto os resgates alcançaram R$ 74,57 bilhões no período. A emissão líquida, que se refere ao volume acima dos resgates, cresceu para R$ 80,7 bilhões no mês passado. Ao mesmo tempo, as despesas com juros somaram R$ 33,69 bilhões.

Copom deve manter Selic a 2%

Começa hoje e segue até amanhã (28) a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil para definir a política monetária. A expectativa que predomina no mercado é de que a taxa básica de juros (Selic) será mantida em 2% ao ano, nível mais baixo da história.

Esta é a visão das seguintes fontes consultadas pelo Suno Notícias: Goldman Sachs, Credit Suisse, JPMorgan, BTG Pactual, Itaú Unibanco e Santander.

Por enquanto, os especialistas avaliam que o risco de inflação no longo prazo não é o suficiente para justificar uma alta na taxa de juros. O que mais chama atenção dos bancos neste momento são os temores em relação à deterioração fiscal do país, o que deve levar o Copom a aumentar seu alerta sobre riscos, podendo impactar os juros mais adiante.

Última cotação do dólar

Na última sessão, segunda-feira (26), o dólar encerrou o pregão em queda de 0,27%, negociado a R$ 5,612.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião