Mercado

Dólar encerra em alta de 0,148% cotado a R$ 4,1912

0

O dólar encerrou, nesta quinta-feira (16), em alta de +0,148% sendo cotado a R$ 4,1912.

O dólar subiu devido a vários fatores. Entre as notícias do dia, o IBC-Br, prévia do PIB, subiu 0,18% em novembro de 2019.

Além disso, contribuíram para o resultado desta quinta do dólar:

  • OCDE: Governo criará secretaria para agilizar ingresso do Brasil;
  • Guerra comercial não afetará outros fornecedores agrícolas, informa governo chinês;

IBC-Br

O IBC-Br, indicador de atividade econômica considerado a prévia do Produto Interno Bruto (PIB) teve alta de 0,18% em novembro, na série com ajuste sazonal. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (16) pelo Banco Central (BC).

Saiba mais: IBC-Br, prévia do PIB, sobe 0,18% em novembro de 2019

Este foi o quarto mês consecutivo de alta do indicador. Em 2019, a alta do IBC-Br foi de 0,95%. No acumulado de 2019 até novembro, o crescimento foi de 0,9%. Na comparação com novembro de 2018, o índice avançou 1,10%, sem ajustes sazonais.

A estimativa segundo especialistas ouvidos pela agência de notícias “Bloomberg” era de queda de 0,05% no trimestre, após avançar 0,17% na medição anterior.

OCDE

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse, nesta quinta-feira (16), que o governo federal criará uma secretaria especial para tornar mais rápido o ingresso do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Saiba mais: OCDE: Governo criará secretaria para agilizar ingresso do Brasil

A função da nova secretaria será melhorar a relação do Brasil com os países membros da OCDE. Segundo Lorenzoni, um decreto para a criação do órgão será publicado até a próxima segunda-feira (20). A secretária será comendada pelo sub-chefe de Análise e Acompanhamento de Políticas Governamentais na Casa Civil, Marcelo Gomes.

“A função dela [secretaria] é poder melhorar nossa relação com o organismo internacional, com países membros que sejam mais fortes dentro da OCDE, buscar cada um dos passos de acreditação para que o Brasil, no mais curto espaço de tempo, possa ser membro desse time, que é o time que vence no mundo”, disse o ministro.

Guerra comercial

A guerra comercial, mesmo após a assinatura do acordo da primeira fase da disputa, não fará com que outros fornecedores de commodities agrícolas para a China sejam impactados. Segundo o vice-premiê Liu He, as compras dos chineses serão baseadas em princípios de mercado, segundo o jornal estatal “CCTV” nesta quinta-feira (16).

Saiba mais: Guerra comercial não afetará outros fornecedores agrícolas, informa governo chinês

O representante chinês falou com a imprensa após a assinatura do acordo preliminar junto ao presidente norte-americano Donald Trump. O desdobramento da guerra comercial fez com que a China se comprometesse em comprar ao menos US$ 12,5 bilhões adicionais em produtos agrícolas neste ano, além de mais US$ 19,5 bilhões a mais do que o nível de 2017 de US$ 24 bilhões no ano que vem.

Última cotação do dólar

Na última sessão, quarta-feira (15), o dólar encerrou em alta de 1,3% cotado a R$ 4,1850.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Rafael Lara
Rafael Lara cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Escreve sobre política, economia e negócios para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na TV Gazeta na produção do programa Edição Extra.