Dólar abre em queda; tarifas chinesas e corte da Selic no radar

Dólar abre em queda; tarifas chinesas e corte da Selic no radar
O dólar hoje fechou em queda a mínima desde o final de julho

O dólar inicia em queda nesta quinta-feira (6). O mercado está de olho no possível corte das tarifas em produtos dos Estados Unidos por parte da China.

Por volta das 9h20, o dólar variava negativamente a 0,623%, sendo negociado a R$ 4,2119. Os investidores estão atentos ao novo corte da Selic, realizado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) na última quarta-feira (5).

Além disso, ontem o Senado norte-americano decidiu por não continuar o processo de impeachment do presidente Donald Trump.

Tarifas chinesas

A China indicou que deve cortar pela metade as tarifas sobre os US$ 75 bilhões em importações de produtos norte-americanos. A decisão faz parte de um acordo comercial que foi assinado com o governo dos Estados Unidos.

Com início em 14 de fevereiro, a China cortará a taxação de alguns produtos de origem estadunidense de 10% para 5%. Além disso, outros produtos terão suas taxas diminuídas de 5% para 2,5%. As informações foram divulgadas pelo Ministério das Finanças do país asiático na última quarta-feira (5).

As tarifas em questão foram criadas entre setembro de dezembro do ano passado, em meio à guerra comercial entre China e Estados Unidos.

A Bolsa de Valores da China, dada a informação do Ministério das Finanças e com um certo alívio em relação às informações sobre o coronavírus, fechou o pregão da última quarta com uma alta de 1,72%, a 2.866,51 pontos.

Selic

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu cortar a taxa básica de juros (Selic) em 0,25%. Com o novo corte a taxa caiu para 4,25%, uma nova mínima histórica.

“O Comitê entende que essa decisão reflete seu cenário básico e o balanço de riscos para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante para a condução da política monetária, que inclui o ano-calendário de 2020 e, com peso crescente, o de 2021”, escreveu o Comitê na nota que acompanhou a decisão.

Saiba mais: Balança comercial registra déficit de US$ 1,745 bilhão em janeiro

No final de janeiro, os economistas dos 100 principais bancos e instituições financeiras brasileiras, entrevistados pelo Boletim Focus, cortaram a previsão da Selic para o final de 2020 para 4,25%.

Há quatro semanas, no entanto, as previsões dos economistas para a taxa deste ano era um pouco maior, em 4,50%.

Impeachment de Trump

O presidente estadunidense Donald Trump foi absolvido na última quarta-feira pelo Senado das acusações do processo de impeachment. O mandatário era acusado de abuso de poder e obstrução do Congresso.

A primeira votação no Senado, sobre os supostos equívocos de Trump durante sua gestão, foi concluída com 52 votos favoráveis a absolvição e 48 contrários. Na segunda acusação, o mandatário foi inocentado por 53 votos a favor e 47 contra.

Confira: Tesla nas estrelas: como o título triplicou de valor em 60 dias

O resultado já era esperado, já que 53 dos 100 assentos do Senado são ocupados por republicanos, mesmo partido de Trump. Por outro lado, todos os senadores democratas votaram contra o presidente em ambas acusações.

O impeachment de Trump seria confirmado caso o mandatário fosse considerado culpado em qualquer uma das acusações alegadas.

Última cotação do dólar

Na última sessão, quarta-feira (5), o dólar encerrou em queda de 0,453%, cotado em R$ 4,239.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião