Mercado

Dólar encerra em alta de 0,183% após revelações sobre a Lava-Jato

0

O dólar fechou esta segunda-feira (10) com uma alta de 0,183%, cotado a R$ 3,8834. A alta chega após duas quedas seguidas na semana passada. A cotação mínima alcançada foi de R$ 3,8697.

O dólar iniciou o dia em alta. O valor máximo registrado foi de R$ 3,8924 às 9h10. O mercado segue monitorando a divulgação de conversas sobre a Operação Lava-Jato entre o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e procuradores federais de Curitiba.

A apresentação do relatório sobre a reforma da Previdência, adiada para a próxima quinta-feira (13), também segue no radar dos investidores.

Sérgio Moro e a Lava-Jato

O site “The Intercept Brasil” publicou no último domingo (9) uma série de mensagens atribuídas ao ex-juiz federal e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, e ao procurador federal Deltan Dallagnol. 

Segundo o site, essas mensagens mostrariam uma colaboração entre o Ministério Público Federal (MPF) e Moro durante a operação Lava Jato.

Saiba mais: Mensagens mostrariam colaboração entre Dallagnol e Moro, diz site

Na base do teor das mensagens, os especialistas em direito salientaram que não haveria, a princípio, nenhuma ilegalidade. Entretanto, esse comportamento poderia configurar um desvio antiético.

Reforma da Previdência

O relator da comissão especial da reforma da Previdência da Câmara, Samuel Moreira (PSDB), afirmou no domingo que deve apresentar seu parecer na próxima quinta-feira (13). O adiamento foi divulgado à Imprensa após um encontro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Saiba mais: Parecer da reforma da Previdência deve ser apresentado na quinta-feira 

“Ideia é essa [apresentar o parecer na quinta-feira]. Vamos conversar com os governadores na terça-feira (11), vamos procurar ouvi-los. É importante ouvi-los, fazer esforço pra isso. Isso amplia o número de deputados em torno do relatório, em torno da reforma, isso vai melhorar bastante (o apoio)”, afirmou o relator da reforma da Previdência.

Instabilidade no exterior

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, voltou a fazer ameaças à China e ao México de imposição de tarifas alfandegárias sobre os produtos importados destes países.

Ao ser perguntado se iria impor mais tarifas à China, caso não encontre o presidente da China, Xi Jinping, no G20, em entrevista ao canal “CNBC”, Trump respondeu que “sim, faria isso”. De acordo com o presidente norte-americano, o encontro entre ele e Xi já foi “programado”.

Saiba mais: Trump ameaça novamente China e México com taxas sobre importação 

Em sua conta do Twitter, Trump também ameaçou a imposição de tarifas sobre produtos do México. O acordo migratório assinado entre o governo mexicano e os EUA, na última sexta-feira (7), evitou a imposição da aplicação de tarifas alfandegárias a partir desta segunda-feira.

Última cotação

Na última sessão, que ocorreu na sexta-feira (7), o dólar teve uma queda de -0,131% cotado a R$ 3,8775.

Compartilhe a sua opinião

Giovanna Almeida
Giovanna Oliveira escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, foi repórter do portal de jornalismo da ESPM-SP e produziu conteúdo para a Corinthians TV. É estudante da ESPM.