Mercado

Dólar abre a semana em alta de olho no Brexit e previsões do Boletim Focus

0

O dólar inicia nesta segunda-feira (21) em alta com os desdobramentos do Brexit, previsões do Boletim Focus e guerra comercial.

Por volta das 9h19, o dólar registrava alta de 0,109% sendo negociado a R$ 4,1231. O mercado está de olho no adiamento da votação do Brexit pelo primeiro-ministro britânico Boris Johnson.

Além disso, segue no radar dos investidores a expectativa dos economistas ouvidos pelo Boletim Focus e os novos capítulos da disputa comercial.

Reino Unido e União Europeia

No último sábado (19), os deputados britânicos aprovaram uma emenda que adiou a votação sobre o acordo negociado entre o Reino Unido e a União Europeia sobre como ficarão as relações entre os dois após a separação.

De certa forma, a decisão implica que o ministro britânico solicite um novo adiamento do prazo para deixar o bloco. Atualmente, a saída está marcada para o dia 31 de outubro.

Nesta segunda, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, tentará colocar em pauta o acordo para ser realizado o Brexit até o fim do mês.

Na última quinta-feira (17), o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, escreveu em sua conta pessoal no Twitter, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, escreveu que o Brexit será “justo e equilibrado” e que “onde existe vontade, existe um acordo”.

Johnson afirmou que o “acordo traz de volta o controle” e que, após concluído o processo de saída da bloco europeu, o Reino Unido poderá focar nas demais áreas de preocupação nacional.

Boletim Focus

Os especialistas entrevistados pelo Banco Central (BC), no Boletim Focus, reduziram, pela 11ª semana consecutiva, a previsão para a inflação neste ano. A expectativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 3,28% para 3,26%.

Entretanto, os especialistas das 100 principais instituições financeiras do mercado brasileiro também alteraram minimamente a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019.

Saiba mais: Campos Neto informa que há possibilidade de juros menores no Brasil

Segundo o Boletim divulgado nesta segunda-feira (21), a economia brasileira deverá crescer 0,88% esse ano, 0,01% a mais do que as estimativas anteriores.

No começo deste ano, os analistas indicavam um crescimento de 2,6% da economia brasileira em 2019.

Guerra comercial

Os mercados internacionais permanecem monitorando o desdobramento das negociações entre Estados Unidos e China. De acordo com as novas informações, a assinatura das maiores economias globais para a conclusão de uma primeira fase acordada está próxima.

O vice-primeiro-ministro do país asiático, Liu He, afirmou que Pequim está trabalhando com os norte-americanos para solucionar as preocupações comerciais de ambas as partes, segundo a CNBC. O ministro disse que interromper a guerra comercial, que se arrasta há mais de um ano, seria bom para ambos os países, assim como para a economia mundial.

Confira: Dona da Estácio, Yduqs, compra Adtalem Brasil por R$ 2 bilhões

Donald Trump, presidente estadunidense, tem relatado que aguarda assinar um acordo comercial entre EUA e China durante as reuniões da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), no Chile, durante os dias 16 e 17 de novembro.

Última cotação do dólar

Na última sessão, sexta-feira (18), o dólar encerrou em queda de 1,221% sendo negociada a R$ 4,1193.

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.