Dólar abre em queda atento a decisão do Fed sobre juros nos EUA

Dólar abre em queda atento a decisão do Fed sobre juros nos EUA
dólar

O dólar inicia esta quarta-feira (29) em leve queda atento a decisão sobre a taxa básica de juros dos EUA.

Por volta das 9h20, o dólar operava em queda de 0,413%, negociado a R$ 5,1347. O mercado está atento ao anúncio que deve acontecer nesta quarta sobre a política monetária norte-americana.

Além disso, segue no radar dos investidores a possibilidade lockdown na Europa e a suspensão de pagamentos de dividendos dos bancos da zona do euro.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Fed

O Banco Central dos Estados Unidos, Federal Reserver (Fed), anuncia nesta quarta-feira às 15h a sua decisão sobre a política monetária.

Os analistas esperam que o Fed mantenha a taxa básica de juros na faixa de 0% a 0,25% e reafirme postura de estímulos agressivos, após sinalizar que não deve elevar juros antes de 2022. É possível também que o presidente do banco Jerome Powell, aponte mudanças de política monetária, que poderão ser implementadas na próxima reunião, em setembro.

BCE suspende dividendos

O Banco Central Europeu (BCE), pediu na terça-feira (28) que os bancos da zona do euro mantivessem a suspensão do pagamento de dividendos até janeiro de 2020. A autoridade monetária também indicou que as instituições financeiras deveriam ser “extremamente moderadas” no pagamento de bônus para os executivos durante a pandemia do coronavírus (Covid-19).

O BCE realizou tais recomendações para ajudar os bancos a absorver perdas e apoiar os empréstimos necessários durante a crise do coronavírus, que deixou a economia da União Europeia em uma grave recessão.

Saiba Mais:  BCE pede aos bancos europeus que não paguem dividendos em 2020

O presidente do conselho de supervisão do BCE, Andrea Enria, explicou que entende o incômodo que o atraso nos dividendos causa para os acionistas dos bancos, mas acrescentou que as medidas são “excepcionais e temporárias”.

“Vimos que houve um impacto nos preços dos ativos no mercado, como esperado”, disse ele. “Sabemos que os investidores não ficaram particularmente satisfeitos com a nossa decisão, mas achamos que é necessário tomar as medidas nesse estágio de maior incerteza. É importante pedir aos bancos que concentrem seus recursos de capital na absorção de empréstimos e perdas”.

Coronavírus na Europa

A primeira ministra da Bélgica, Sophie Wilmès, anunciou na última segunda-feira (27) que é provável que um novo lockdown seja inevitável, visto que uma nova onda do novo coronavírus (Covid-19) ameaça atingir a Europa.

Só na última semana, o total de novos casos diários subiu de 163 para 279 na região. A Bélgica atualmente conta com mais de 66 mil pessoas infectadas com o novo coronavírus, em vista de 58 mil no final de maio.

Já a Espanha informou também nessa segunda-feira um novo pico da doença em Barcelona. Com mais de 90 mil pessoas contaminadas o governo pretende decidir se decretará ou não lockdown nos próximos dez dias.

Frente a isso, a França solicitou que sua população não viaje para a Espanha. O país que abriga a Torre Eiffel viu o número de novos infectados diários subir para mil, atingindo o mesmo patamar que apresentava antes das regras da quarentena serem afrouxadas.

Última cotação do dólar

Na última cotação, terça-feira (28), o dólar encerrou em leve queda de 0,016%, negociado a R$ 5,1575.

Tags
Poliana Santos

Compartilhe sua opinião