Dólar abre em queda com pacote de estímulos dos EUA e Copom no radar

Dólar abre em queda com pacote de estímulos dos EUA e Copom no radar
Na última sessão, terça-feira (1), o dólar encerrou o primeiro dia do mês de setembro com queda de 1,75%, negociado a R$ 5,3845.

O dólar inicia esta quarta-feira (5) em queda atento ao pacote de estímulos da maior economia do mundo e a possibilidade de um novo corte na taxa básica de juros do Brasil.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Por volta das 9h20, o dólar operava em queda de 0,893%, sendo negociado a R$ 5,2648. O mercado internacional acompanha o desdobramento de um novo pacote de estímulos da economia estadunidense.

Além disso, no radar do investidor brasileiro está a decisão monetária sobre a taxa básica de juros (Selic), os especialistas estimam corte de 25 pontos-base, para 2%.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Pacote de estímulos dos EUA

O mercado está voltado para a discussão de um pacote de estímulos dos Estados Unidos. Democratas e republicanos permanecem as negociações sobre o programa de auxílio a pequenas empresas, para que elas atravessem a pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Na última segunda-feira (3), a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, se reuniu, novamente, com o secretário do Tesouro, Steven Munchin. Segundo a Casa Brancas, a reunião foi “produtiva”.

De acordo com o Congresso norte-americano, os partidos estão se unindo, porém, cada lado quer adicionar ao novo pacote de auxílio. Por esse motivo, não há expectativa de que um acordo seja alcançado rapidamente.

Copom

No mercado nacional, os olhos estão voltados para a decisão monetária do Comitê de Política Monetária (Copom). A expectativa é de que a taxa básica de juros, Selic, seja reduzida, novamente, em 25 pontos-base, para 2% nesta quarta.

Segundo as estimativas compiladas pela agência de notícias “Bloomberg”, dos 34 analistas, 30 acreditam neste corte na taxa Selic. Os outros quatro estimam que o Banco Central (BC) não fará ajustes.

Bolsas globais

No cenário internacional, o pacote de estímulos da principal economia do mundo anima os mercados nesta quarta.

Às 7h40, os índices futuros norte-americanos apresentavam alta. O S&P 500 Futuro registrava alta de 0,52%, a Nasdaq futuro subia 0,32% e o Dow Jones 0,68%. Na Europa, a Bolsa da Alemanha (Dax) tinha alta de 0,89%, a do Reino Unido (FTSE 100) operava a +1,06%, a França (CAC 40) +0,83% e a Itália (FTSE MIB) alta de 0,43%.

Já no mercado asiático os indicadores encerraram em campo distintos. Fecharam positivo, Hong Kong (Hang Seng Index) +0,63 e China (Shangai SE) +0,17%. Por sua vez, o Japão (Nikkei 225) encerrou em -0,26%.

Última cotação do dólar

Na última sessão, terça-feira (4), o dólar encerou em queda de 0,572%, sendo negociado em R$ 5,2838.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião