Dólar em queda com disputa comercial, dados da Alemanha e reforma no radar

Dólar em queda com disputa comercial, dados da Alemanha e reforma no radar
Por volta das 9h20, o dólar operava em leve queda de 0,65%, sendo negociado a R$ 5,2392.

O dólar opera em queda nesta quinta-feira (8) com dados alarmantes da maior economia da Europa, disputa comercial e reforma da Previdência no radar.

Por volta das 9h15, o dólar registrava queda de -0,473% sendo negociado a R$ 3,9556. O mercado está atento ao desdobramento da guerra comercial entre as duas maiores economia do mundo que tem afetado a economia global, como a da Alemanha.

Além disso, segue no radar dos investidores, a reforma da Previdência e os destaques rejeitados, e a disputa comercial que poderá beneficiar o Brasil.

Maior economia da Europa contraí no segundo trimestre

De acordo com a pesquisa da Agência de Estatísticas, a produção industrial da Alemanha caiu mais do que o esperado em junho. Conforme os analistas, essa queda é resultado da fraqueza em bens de capital e intermediários.

A produção industrial registrou queda de -1,5% em comparação com o mês anterior, valor muito maior do que a estimativa de 0,4%. Por sua vez, no segundo trimestre a produção caiu 1,8%.

Segundo o economista, Bankhaus Lampe Alexander Krueger, o recesso contínuo é alarmante. “A queda na produção é assustadora”, afirma Kruguer.

Além disso, os analistas reiteram que essa queda inesperada foi intensificada com a disputa comercial entre os Estados Unidos e China, os países são grandes destinos de exportação da Alemanha.

Guerra comercial

O Banco Central da China decidiu na última segunda-feira (5) desvalorizar o yuan em seu menor nível desde 2008. A decisão da autoridade central monetária chinesa foi em resposta aos impostos alfandegários decididos pelo governo dos Estados Unidos.

A moeda da China superou a marca de 7 yuan por dólar pela primeira vez desde 2008. A decisão do Banco Central chinês gerou uma onda de vendas na Bolsa de Valores de Nova York. Os principais mercados globais também foram afetados pela medida, fechando em negativo.

Saiba Mais: China define nova cotação do yuan

Nesta quinta-feira, o Banco decidiu fixar a negociação do yuan em 7,00039 por dólar, esse valor é equivalente a uma queda de -0,06% em comparação com a última quarta-feira (7).

A decisão do Banco Central de Pequim é mais um capítulo na guerra comercial com os EUA. O governo chinês quer tentar anular o efeito dos novos impostos alfandegários decididos pelos Estados Unidos. Essa alteração no câmbio poderia provocar novas retaliações por parte de Washington.

Disputa comercial poderá beneficiar o Brasil

A continuidade da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China pode elevar as exportações do Brasil para ambos os países. A informação foi divulgada em um estudo da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Saiba Mais: Guerra comercial entre EUA e China pode beneficiar a exportação brasileira

Esse aumento nas exportações aconteceria principalmente nas vendas de produtos primários para o país asiático. No mercado da China, Brasil e EUA disputam na venda de commodities. Por causa da guerra comercial, a competitividade brasileira aumentará por conta da taxação das mercadorias norte-americanas.

Reforma da Previdência

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou em segundo turno o texto-base da reforma da Previdência na noite da última terça-feira (6). Foram 370 votos a favor, 124 contra e uma abstenção.

Confira Também: Economia de R$915 bi da reforma foi além das previsões otimistas, diz Maia

Na última quarta-feira (7), o presidente Rodrigo Maia convocou reunião para discutir os destaques. Foram rejeitados oito destaques, propostas que almejavam retirar pontos do texto-base, aprovado na última madrugada. A reforma da Previdência é considerada pelo governo como essencial para a recuperação das contas públicas.

Última cotação do dólar

Na última sessão, quarta-feira (8), o dólar encerrou em alta de 0,48%, cotado a R$ 3,975.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião