Economia

Dívida pública cresce 1,15% em março e chega a R$ 3,91 trilhões

0

A dívida pública do Brasil teve uma alta de 1,15% e atingiu R$3,91 trilhões no mês de março. O resultado, divulgado pelo Tesouro Nacional nesta sexta-feira (26), ocorre em um mês com muita emissão externa de títulos soberanos.

Em fevereiro, a dívida pública estava em R$ 3,873 trilhões. O Plano Anual de Financiamento (PAF) definiu que a meta do valor em 2019 está entre R$ 4,1 trilhões e R$ 4,3 trilhões.

A dívida é usada pelo governo para pagar por despesas que não são quitadas com a arrecadação de impostos e tributos. Em 2018, a alta foi de 8,9%.

Dívida interna e externa

A dívida interna brasileira (aquela cujas operações são feitas em real) avançou 0,87% em março para R$ 3,764 trilhões; Já a dívida externa (operações feitas em dólar) subiu 8,3% no mês. No total, a dívida externa soma R$ 153,7 bilhões.

Saiba Mais: Dívida Pública Federal cresce 1,71% em fevereiro

Os investidores estrangeiros têm uma participação de 12,24% na dívida pública interna. Isso representa o equivalente a R$ 460 bilhões. Tanto é que eles estão em quarto lugar entre os detentores da dívida. Os três primeiros são:

  • fundos de investimento, com 27,24% – R$ 1,025 trilhão
  • fundos de previdência, com 24,15% – R$ 909 bilhões
  • instituições financeiras, com 22,33% – R$ 840 bilhões

Como é composta a dívida pública

No período analisado pelo Tesouro, a porcentagem dos títulos pós-fixados na dívida caiu de 31,60% para 30,41%.

Por sua vez, os títulos prefixados representaram 33% da dívida em fevereiro. Uma porcentagem em aumento em relação ao 32,21% registrado em janeiro.

Saiba mais: Dívida pública pode alcançar R$ 4,3 trilhões em 2019, diz Tesouro Nacional 

Os títulos relacionados a índices de preços representaram 29,16% do total, contra 28,91%  do segundo mês do ano. Por sua vez, os títulos ligados ao câmbio ficaram em 7,39%, contra os 7,28%  em fevereiro.

O PAF indica que esse ano os títulos prefixados devem registrar uma participação entre 29% e 33% do total. Por outro lado, os títulos ligados a índices de preços ficarão entre 24% e 28% da dívida pública. Por sua vez, os papéis ligados ao câmbio ficarão entre 3% e 7%.

Compartilhe a sua opinião

Beatriz Oliveira
Formada em Jornalismo pela Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação, Beatriz Oliveira escreve para o portal de notícias Suno Research. Antes, passou pelas redações da Revista EXAME e da Rede Bandeirantes.