Negócios

Deutsche Bank: política ambiental atrapalha investimentos no Brasil

0

Para a Deutsche Bank, maior banco alemão, a atual política ambiental brasileira atrapalharia os investimentos estrangeiros no País. A declaração foi realizada neste domingo (16) pelo diretor de investimentos do Deutsche Bank Wealth Management nas Américas, o indiano Deepak Puri.

Segundo o executivo da Deutsche Bank, a política ambiental do governo do presidente Jair Bolsonaro “sim, tem atrapalhado” os investimentos estrangeiros diretos.

“O mercado questiona o quão sensível o Brasil é para a questão ambiental. Esse tema foi o principal das discussões em Davos neste ano, mas escuto de nossos clientes há alguns anos”, explicou Puri em entrevista ao jornal “O Estado de S.Paulo”.

Para o funcionário da Deutsche Bank, “a governança ambiental e social está na cabeça dos investidores. Quando ocorre algo como abrir a Amazônia para a exploração, dá a percepção fora do Brasil de que o governo não se importa com o meio ambiente”.

Saiba mais: Deutsche Bank vende parte do negócio de corretagem ao BNP Paribas

O banco alemão estaria se movendo para o que chama de “performance com objetivo”. “Queremos investir onde haja um impacto positivo para a sociedade. É o modo que as pessoas vão investir agora e no futuro”, disse Puri.

Deutsche Bank alerta sobre risco do coronavírus

Para o executivo, o Brasil poderia perder 0,1 ponto percentual do Produto Interno Bruto (PIB) esse ano por causa dos efeitos econômicos do coronavírus. Entretanto, o País deveria manter a recuperação econômica mais forte ao longo de 2020.

Saiba mais: Deutsche Bank vende US$ 50 bi em ativos ao Goldman Sachs, diz fonte

“Esperamos um crescimento de 2,3%, mas isso é pré-coronavírus. A epidemia pode tirar 0,1 ponto porcentual. Mas há razões estruturais para acreditar no crescimento. O fluxo de fundos, o dinheiro do exterior, começou a voltar. Também teve a reforma da Previdência. O que ainda desaponta são os dados da atividade. Mas o fato de o BC ter cortado os juros deu impulso aos negócios”, declarou Puri.

Segundo o executivo, a “grande onda” da recuperação ainda não começou. Entretanto, “há sinais de melhora”. O Brasil teria retornado no radar dos investidores globais, de onde tinha desaparecido entre 2015 e 2017.

Entretanto, tudo dependerá do impacto da epidemia de coronavírus sobre a economia da China, primeiro parceiro comercial do Brasil. “Achamos que pode tirar de 0,3 a 0,4 ponto porcentual do PIB chinês no ano. Mas o Banco Central (BC) chinês vai estimular a economia e o governo também. Por isso, é cedo para mensurar o impacto. Mas, globalmente, devemos ver uma perda de 0,2 ponto porcentual”, salientou o executivo do Deutsche Bank.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe do SUNO Notícias. Italiano, formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. Concluiu também um MBA em Finanças na B3. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.