Destaques de empresas: Petz; Santander; Eletrobras; Notre Dame; Cielo

Destaques de empresas: Petz; Santander; Eletrobras; Notre Dame; Cielo
Fachada de loja da Petz (foto: divulgação)

Nos destaques de empresas desta terça-feira (27), o Suno Notícias traz os resultados trimestrais de grandes empresas, como a Petz e o Santander. Outras informações, como novidades sobre as negociações envolvendo Linx e Stone, também constam nos destaques de hoje.

Confira os destaques de empresas desta terça:

Petz

A Petz (PETZ3), que é uma das estreantes da Bolsa neste ano, abre os destaques de empresas desta terça. A companhia apresentou lucro líquido de R$ 17,061 milhões no 3T20. O valor representa uma alta de 47,5% frente ao mesmo intervalo do ano passado. O número não leva em conta o IFRS 16, deixando de lado os efeitos de um crédito fiscal no terceiro trimestre de 2019. O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ficou em R$ 46,843 milhões, crescimento de 34,5% na mesma base de comparação.

Santander

O Santander (SANB11), como de costume, abriu a temporada de balanços dos bancos no Brasil. Nesta terça-feira (27), a instituição apresentou um um lucro líquido societário de R$ 3,81 bilhões, auferido no terceiro trimestre deste ano, equivalente a uma alta de 88,2% sobre o registrado no segundo trimestre. Na comparação com o mesmo período do ano passado, que o lucro havia sido de R$ 3,60 bilhões, a alta é de 5,6%.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O Santander também comunicou ao mercado que o seu conselho de administração aprovou o pagamento de Juros sobre o Capital Próprio (JCP) no montante bruto de R$ 1 bilhão.

Após deduzido o Imposto de Renda na Fonte (IRRF), o pagamento de JCP líquido é de R$ 850 milhões, equivalente a R$ 0,10859906709 por ação ordinária, R$ 0,11945897381 por papel preferencial e R$ 0,22805804089 por Unit, com exceção dos acionistas imunes ou isentos.

Eletrobras

A Eletrobras (ELET3) deve ser ressarcida em R$ 116,899 milhões por empreendimentos dos quais participa, direta ou indiretamente, por meio de suas controladas. A companhia assinou, na última segunda-feira (26), um termo de adesão ao acordo de leniência, firmado pela Controladoria-Geral da União(CGU) e Advocacia Geral da União (AGU) com a Camargo Corrêa.

De acordo com o fato relevante divulgado pela empresa, com o acordo, R$ 28,8 milhões devem ser destinados à Eletrobras, R$ 28.899.890,67 para a Chesf, R$ 38,4 milhões para a Eletronorte e R$ 20,6 milhões para Furnas.

“Esta é uma oportunidade de fazer retornar à Eletrobras parte dos recursos a que a companhia tem direito, diante dos prejuízos causados pela construtora, decorrentes do esquema de corrupção desvendado pela Operação Lava Jato, além de garantir o acesso às informações e documentos obtidos por intermédio do citado Acordo, de forma a avaliar se há outras medidas de ressarcimento cabíveis a serem adotadas, em razão dos atos ilícitos dos quais foi vítima”, informou a Eletrobras.

Notre Dame

A Notre Dame Intermédica (GNDI3) comunicou ao mercado em geral que, na última segunda-feira (26), a Notre Dame Intermédica Saúde S.A., subsidiária integral da companhia, fechou um acordo para a aquisição da Serpram –Serviço de Prestação de Assistência Médico-Hospitalar, IMESA –Instituto de Medicina Especializada Alfenas e Hospital Varginha S.A.


O valor da aquisição das participações adquiridas ficou em R$ 170 milhões e será pago na data de fechamento do negócio. O preço será ajustado pelo caixa/endividamento líquido a ser apurado na data em questão, e descontada uma parcela retida para contingências.

O Grupo Serpram é uma operadora de saúde com 29 anos de atuação nas regiões de Alfenas, Varginha, Extrema e Pouso Alegre (Sul do Estado de Minas Gerais). Sua área de influência conta com mais de 1,4 milhão de habitantes (312 mil beneficiários de planos de saúde).

Cielo

Para finalizar os destaques de empresas, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) habilitou a Cielo, a Adyen do Brasil e a Safrapay como “terceiras interessadas” na união entre Linx e Stone.

A Cielo argumentou que a integração de serviços entre Linx e Stone pode dar um “elevado poder de mercado” à Stone.

As outras empresas também citaram uma possível dominância da empresa no setor de pagamentos.

Com informações do Estadão Conteúdo 

Os destaques de empresas do Suno Notícias mostram os principais acontecimentos que prometem movimentar o mercado durante o dia.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião