Economia

Desigualdade de renda aumenta há 17 trimestres seguidos, segundo FGV

0

Segundo o estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Brasil vive o mais longo período contínuo de aumento da desigualdade de renda já apurado.

A desigualdade de renda no Brasil aumentou nos últimos três meses. Pelo 17º trimestre consecutivo, a concentração de renda foi elevada, baseado nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) contínua do IBGE.

Desigualdade de renda bate recorde

Segundo o estudo “Escalada da Desigualdade”, do economista Marcelo Neri, o período atual trata-se de um recorde de duração nas séries históricas brasileiras, atingindo 4 anos e 3 meses.

Veja também: MP da Liberdade Econômica irá gerar 3,7 milhões de empregos, diz governo

Segundo ele, “nem mesmo em 1989 que constitui o pico do nosso piso histórico de desigualdade brasileira houve um movimento de concentração de renda por tantos períodos consecutivos”.

O índice Gini, que mede a desigualdade de renda da população, quando mais próximo de 1, maior é a desigualdade, passou de 0,6003 no quarto trimestre de 2014 para 0,6291 no segundo trimestre de 2019.

De acordo com o estudo, o aumento de 0,0287 pontos no índice nesse intervalo acompanhou “um ritmo de aumento anual similar ao de queda observada no período histórico de marcada redução da desigualdade entre 2001 e 2014”.

Nesse período, de 2014 a 2019, a renda do trabalho da metade mais pobre caiu 17,1%. Já a renda dos 1% mais ricos, segundo o estudo, subiu 10,11%. A considerada classe média, fatia da população posicionada entre os 40% intermediários, observou uma queda 4,16% em sua renda.

O estudo mostra que a queda da renda média atingiu com mais intensidade:

  • os jovens de 20 a 24 anos (-17,16%)
  • os analfabetos (-15,16%)
  • os moradores das regiões Norte (-13,08%)
  • os moradores das regiões Nordeste (-7,55%)
  • e as pessoas de cor preta (-8,35%)

Confira: Desemprego recua em 10 das 27 unidades da federação no 2º tri, segundo IBGE

Entre as causas principais para o aumento da desigualdade, estão a desaceleração econômica e, principalmente, o desemprego.

Acentuando os índices de desigualdade de renda, a pesquisa, ainda, calcula que entre o final de 2014 até dezembro de 2017, o número de brasileiros em situação de pobreza (ou seja, que possuem renda de até R$ 233 por mês) saiu de 8,38% para 11,8% da população, alcançando 23,3 milhões de pessoas. Esse número é maior que a soma das populações de Uruguai e Chile.

 

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.