Economia

Desemprego cai para 11,8% com informalidade atingindo maior nível desde 2016

0

A taxa de desemprego do Brasil caiu novamente e ficou em 11,8% no trimestre encerrado em agosto, após ficar em 12,3% no trimestre finalizado em maio.

De acordo com informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta sexta-feira (27), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a queda no desemprego foi devido a entrada de 684 mil trabalhadores no mercado, totalizando 93,6 milhões de ocupados.

Trata-se do maior número desde 2012. Entretanto, o aumento foi acompanhado por recordes no níveis de trabalhos informais.

Queda no desemprego é devido ao aumento de trabalho informal

Segundo a pesquisa, dos 684 mil novos trabalhadores, 87,1% entraram no mercado de trabalho pela via informal. Além disso, 41,4% da população ocupada se encontra na informalidade, a maior proporção da série histórica que tem início em 2016.

O trabalhadores sem carteira assinada, os sem Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) e os sem remuneração fazem parte desse grupo.

  • sem carteira assinada: 11,8 milhões de pessoas
  • sem CNPJ: 24,3 milhões de pessoas

São os maiores contingentes da série histórica, iniciada em 2012.

“Esse aumento na ocupação não foi suficiente para aumentar a massa de rendimento, porque o emprego gerado foi voltado para postos de trabalho na área informal. E é essa massa de rendimento que movimenta o mercado de trabalho de forma virtuosa”, disse o diretor de pesquisa do IBGE, Cimar Azevedo.

Confira Também: Desemprego recua em 10 das 27 unidades da federação no 2º tri, segundo IBGE

Os setores de ocupação que registram crescimento em comparação com o trimestre anterior foram:

  • indústria (2,3%, mais de 272 mil pessoas)
  • construção (2,8%, mais de 181 mil pessoas)

“No caso da construção, é um grupamento que sofreu muito com a crise. Essas obras paradas demitiram muitos trabalhadores de ‘chão de fabrica’. A gente precisa aguardar mais edições da pesquisa para entender se isso sinaliza uma recuperação”, completou Azevedo.

O número de trabalhadores que gostariam de trabalhar mais horas, está em 7,2 milhões de pessoas. Por sua vez, a taxa de subutilização caiu para 24,3%, devido ao aumento da ocupação e queda de 3,9% na população desalentada, que se encontra em 47 milhões de pessoas.

Apesar do aumento na ocupação, o desemprego no Brasil ainda atinge 12,6 milhões de pessoas.

Compartilhe a sua opinião

Poliana Santos
Poliana Santos escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na Rádio Gazeta AM, onde era responsável pela produção do programa Bom Dia Gazeta. É estudante da Faculdade Cásper Líbero.