CVC (CVCB3): auditoria aponta ‘incerteza’ para continuidade operacional

CVC (CVCB3): auditoria aponta ‘incerteza’ para continuidade operacional
A responsável pela auditoria da CVC, KPMG, vê ‘incerteza relevante’ para continuidade operacional

A empresa responsável pela auditoria dos balanços da CVC (CVCB3), KPMG, informou no relatório referente ao primeiro trimestre deste ano da companhia de turismo que os número apontam para a “existência de incerteza relevante que pode levantar dúvida significativa quanto à capacidade de continuidade operacional da companhia”.


O balançou auditado indicou um prejuízo de R$ 1,15 bilhão no primeiro trimestre de 2020, ao mesmo tempo em que o  o passivo circulante nas posições controladora e consolidado excedeu o ativo circulante em R$ 349,8 milhões e R$ 203,4 milhões, respectivamente. A CVC ainda registrou um patrimônio líquido negativo (passivo a descoberto) em R$ 180 milhões no período.

A companhia brasileira salientou que o segmento de viagens e turismo sofreu impactos significativos durante a pandemia, com reflexos nas atividades da empresas e suas controladas no âmbito da geração de receitas e caixa no curto prazo.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

“O ano de 2020 trouxe logo em seus primeiros meses um enorme desafio – a pandemia de Covid-19. O desempenho da Companhia nos meses de janeiro e fevereiro estavam em linha com o cenário projetado para o ano, porém março chegou e com ele a enorme tempestade causada pela pandemia. Com impactos profundos na saúde pública e economia em escala global, a pandemia transformou a realidade em poucas semanas”, destacou a CVC.

S&P revisa rating da CVC para baixo

Além disso, a empresa de turismo informou que a agência de classificação de risco Standard & Poor’s rebaixou seu rating para  “brCCC-”. A companhia brasileira ainda comunicou que a não divulgação das demonstrações financeiras relativas ao ano de 2019 nos prazos legais fez com que a administração da empresa apresentasse um pedido de perdão pelo não cumprimento da obrigação.

A empresa destacou que planeja realizar um aumento de capital e negociação junto aos debenturistas para repactuação dos vencimentos previstos para 2020.

Às 15h26 desta quinta-feira (1), as ações da CVC listadas na bolsa de valores brasileira, a B3, registravam uma queda de 2,73%, negociadas a R$ 15,69.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião