Imóveis

Custos da construção civil sobem 0,11%; Menor taxa desde novembro de 2016

0

Os custos da construção civil tiveram uma inflação de 0,11% durante o mês de maio. Os dados foram apontados pelo Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI) e divulgados nesta sexta-feira (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os custos da construção civil recuaram 0,23 ponto percentual em relação a taxa de abril, que foi de 0,34%. Além disso, o acumulado de 12 meses ficou em 4,49%, abaixo dos 4,95% registrados nos 12 meses anteriores. Em relação a maio de 2018, o recuo deste ano foi de 0,44 ponto percentual.

Materiais e mão de obra

Por metro quadrado, o custo nacional da construção civil passou de R$ 1.130,67 em abril para R$ 1.131,89 em maio. O montante de maio ficou dividido em R$ 592,48 para custos de materiais e R$ 539,41 para custos de mão de obra.

Os materiais tiveram uma alta de 0,06 ponto percentual neste mês, ao atingir a variação de 0,39%, contra os 0,33% de alternância apontado em abril. Além disso, em relação a maio de 2018, o crescimento foi de 0,12 ponto percentual.

Saiba mais: Inflação do mês de maio registra queda e atinge menor patamar desde 2006

Já a mão de obra registrou uma variação negativa de -0,21, ante alta de 0,36% em abril, registrando uma queda de 0,57 ponto percentual no período. Em relação a maio de 2018, a queda foi maior ainda, atingindo os 1,07 ponto percentual.

De acordo com o analista do estudo, Augusto Oliveira, a queda da parcela da mão de obra em -0,21% influenciou o índice nacional. Segundo ele, “historicamente, maio é o mês em que ocorrem os dissídios, porém, em 2019, o acordo coletivo foi captado apenas no estado do Acre”.

No acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, a parcela dos materiais registrou uma alta de 2,27%, enquanto a mão de obra subiu 0,91%. No período de 12 meses, materiais cresceram 6,63% e a mão de obra 2,25%.

A alta de 0,11% nos custos da construção civil durante o mês de maio, é o menor resultado do índice desde novembro de 2016, quando variou de 0,10%.

Compartilhe a sua opinião

Renan Bandeira
Renan Bandeira escreve sobre política e economia para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou em uma rede de televisão, onde fazia reportagens sobre os mesmos temas. Estuda na Universidade Metodista de São Paulo.