Crédito imobiliário financiado por poupança cresceu 33% em 2018

Crédito imobiliário financiado por poupança cresceu 33% em 2018
Confira os FIIs que menos Pagaram dividendos em maio

O crédito imobiliário financiado por meio de poupança cresceu 33% em 2018, em comparação com 2017. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (30) pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

O aumento do crédito imobiliário com este tipo de financiamento foi o primeiro crescimento em três anos, e alcançou R$ 57,4 bilhões. Em 2017, o valor foi de R$ 43,15 bilhões, o ponto mais baixo dos últimos anos. Em 2016, o início da queda, foram financiados R$ 46,61 bilhões. Em 2015, R$ 75,58 bilhões. E em 2014, R$ 112,85 bilhões.

No total, cerca de 228,4 mil imóveis foram financiados no ano com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). Um número de imóveis que aumentou de 30% na comparação com 2017.

Confira os valores financiados em 12 meses, nos últimos anos:

  • 2014: R$ 112,85 bilhões
  • 2015: R$ 75,58 bilhões
  • 2016: R$ 46,61 bilhões
  • 2017: R$ 43,15 bilhões
  • 2018: R$ 57,39 bilhões

Saiba mais: Setor imobiliário de São Paulo deve ter alta de 10% ao final de 2018 

Os financiamentos imobiliários chegaram a R$ 6,05 bilhões em dezembro. Esse foi o melhor resultado mensal para o ano de 2018, apresentando um crescimento de 64,4% em relação o mesmo mês do ano anterior.

Saiba mais: Confiança da Construção no Brasil tem melhor novembro em 4 anos 

Entre os bancos que mais financiaram lidera o Bradesco, que desembolsou R$ 15,121 bilhões. Seguem a Caixa Econômica Federal com R$ 13,264 bilhões, e o Itaú Unibanco, com R$ 12,097 bilhões. Além disso, no ranking de financiamento de aquisições e construções está o Santander R$ 10,170 bilhões e o Banco do Brasil R$ 5,086 bilhões.

  • Bradesco: R$ 15,121 bilhões
  • Caixa: R$ 13,264 bilhões
  • Itaú: R$ 12,097 bilhões
  • Santander: R$ 10,170 bilhões
  • Banco do Brasil: R$ 5,086 bilhões

Saiba mais: Vendas de imóveis tem queda de mais de 4% em seu valor neste ano 

 

Carlo Cauti

Compartilhe sua opinião