Correios podem aumentar sinergia para Magalu e Amazon, mas há desafios

Correios podem aumentar sinergia para Magalu e Amazon, mas há desafios
Correios (foto: divulgação)

O possível interesse de Amazon e Magazine Luiza (MGLU3) na aquisição da operação dos Correios no Brasil chamou a atenção do mercado, que apesar de ainda cético e em busca de mais detalhes da negociação, vê com bons olhos o interesse dos players do varejo na empresa estatal.

Segundo analistas consultados pelo SUNO Notícias, o ponto positivo na aquisição dos Correios por uma das empresas seria no aumento da sinergia entre as companhias, dado que ambos os lados têm interesses em melhorar a logística no País. Os detalhes do tipo de contrato, porém, seriam essenciais para entender se o resultado final será positivo.

De acordo com Henrique Esteter, analista da Guide, tanto Magazine Luiza quanto Amazon poderiam reduzir custos e tempo de entregas e, assim, conseguir crescer ainda mais no País caso realmente adquirissem os Correios.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

“A ligação entre o que elas já criaram e o que pode ser criado em termos de sinergia, redução de custos, crescimento de competitividade, que todo esse conhecimento da empresa que pudessem ser transmitidos em uma aquisição dos Correios é o que viria de positivo em um possível negócio como esse”, disse.

Para o analista da Guide, porém, os detalhes de um possível funcionamento dos Correios em locais não lucrativos, por exemplo, podem pesar na negociação.

“Se sair um tipo de negócio desse vão ter muitas linhas e muitas condições. Esses movimentos de desestatização, para tirar algo da máquina pública, sempre vem muitas condições e o serviço popular como os Correios também não seria diferente”, disse.

De acordo com Esteter, o desafio é compreender o desenho da empresa no futuro, mesmo nas mãos da iniciativa privada. Além disso, a negociação ainda deve se arrastar por meses e tem de passar pela avaliação do Congresso.

“É um desafio entender como integrar os estados mais rentáveis e os menos ou obrigatoriedade de a empresa servir onde não tem lucro e isso atrapalha o negócio. Essas condições virão, mas não serão do dia para a noite, as condições são bem complexas, discutidas, e ainda tem uma aprovação necessária no Congresso”, afirmou.

Na quinta-feira (18), o  ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou nesta quarta-feira, 16, que a Magalu e outras quatro empresas já manifestaram interesse na privatização dos Correios.

“Já tem cinco players interessados. A Magalu é um deles. O Amazon, a DHL, Fedex… já tem pessoas, grupos interessados na aquisição dos Correios. E isso aí é importante. Nós não teremos um processo de privatização vazio”, de acordo com informações da Agência Estado.

As empresas não comentaram a declaração.

Ministro critica greve dos Correios

O ministro ainda criticou a greve dos Correios, afirmando que, sendo um serviço “universal e essencial”, a companhia não poderia parar. “Se a empresa fosse privada, não tinha esse problema. Não é com greve que você consegue aumento”, pontuou.

Os funcionários da estatal entraram em greve em todo o Brasil no dia 17 de agosto. A paralisação é um forma de protesto contra a privatização e pela manutenção de benefícios trabalhistas.

“Eu nem entrei no mérito da greve, quem debateu isso foi o próprio presidente dos Correios. Acho que isso [a greve] foi muito ruim pra eles, porque é um momento em que todos precisam dar o melhor de si”, afirmou Faria.

Vinicius Pereira

Compartilhe sua opinião