Negócios

Correios: participação no comércio virtual cai quase 20% em 6 anos

0

A presença dos Correios no setor de e-commerce caiu quase 20% nos últimos seis anos. Os dados são da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm). De acordo com a entidade, a atuação da empresa passou de 81% em 2013 para 62,5% neste ano. Por outro lado, o uso de transportadoras privadas subiu de 15% para 33,4%.

De acordo com a pesquisa da Abcomm, a procura pelos Correios pelos lojistas com faturamento acima de R$ 10 milhões mensais despencou para menos de 30%. Diante desse cenário, as micro e pequenas empresas que não possuem condições de pagar os serviços das grandes transportadoras acabam concentrando as entregas na estatal. Com a crise nos Correios, esse setor é o mais prejudicado.

Saiba mais: Correios planejam abertura de capital, diz CEO da estatal

Avaliação dos serviços dos Correios

Um terço dos entrevistados pelo levantamento da Abcomm disseram que os Correios prestam um serviço péssimo ou ruim. Outros 45,8% responderam que a atuação da empresa é razoável. Já aqueles que classificam as operações da empresa como bons somam 22,2%. Apenas 1% afirmaram que a empresa faz um excelente trabalho.

A principal queixa dos clientes dos Correios é em relação aos “preços abusivos”. O índice de pessoas que acham os valores acima do praticado pelo mercado totalizam 64% dos entrevistados. Em 2017, esse número era de 39%. Além disso, há reclamações referentes ao “atraso de entregas” (59,7%) e da “demora nas tratativas” (41,7%).

Saiba mais: Presidente dos Correios diz que se privatizar, estatal não sobreviverá

O prazo de entrega em cidades como o Rio de Janeiro aumentou de 5 para 6 dias. Já em Porto Alegre, esse valor pulou de 6 para 7 dias. No restante das capitais, o índice se manteve estável. Porém, esse tempo continua alto. Um pacote leva 7 dias para ser entregue em Brasília, 10 em Recife e 14 em Manaus. São Paulo tem o menor prazo, com média de 4 dias.

A pesquisa da Abcomm foi realizada entre os dias 22 e 29 de abril deste ano. Ao todo, foram coletados 467 questionários junto com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ComSchool). Ademais, o levantamento possui um grau de confiança de 95% e margem de erro de 6% para um total de 31 mil lojas virtuais ativas no Brasil.

Privatização dos Correios

O presidente da Abcomm, Mauricio Salvador, disse que os resultados reforçam a necessidade de privatizar os Correios.

“Está mais do que comprovado que o Estado não tem competência para administrar empresas. Ele precisa dar foco em saúde, segurança e educação. O modelo atual dos Correios está sufocando o crescimento do comércio eletrônico no Brasil”, disse.

Saiba mais: Governo se prepara para privatizar os Correios

De acordo com expectativas do governo, a privatização dos Correios só sairá após a aprovação da reforma da Previdência no Congresso. Na previsão mais realista, a venda da estatal só deve ocorrer em 2021.

Compartilhe a sua opinião

Renan Dantas
Escreve sobre política e mercado financeiro para o portal Suno Notícias. Antes, atuou na assessoria de comunicação do Ministério Público do Trabalho e na Rádio Mackenzie, onde apresentava e produzia um programa sobre artistas da música brasileira. É estudante na Universidade Presbiteriana Mackenzie.