Coronavírus: Rede D’Or doa R$ 110 mi para ajudar hospitais públicos

Coronavírus: Rede D’Or doa R$ 110 mi para ajudar hospitais públicos
Rede D'Or (divulgação)

A Rede D’Or doou R$ 110 milhões para auxiliar hospitais e unidades de saúde da rede pública no combate ao coronavírus (Covid-19). As ações do grupo em relação a doença ainda não acabaram e o valor acima é referente as doações feitas até última segunda-feira (13), de acordo com o jornal “Valor Econômico”.

Os projetos realizados com iniciativa da Rede D’Or estão sendo feitos em parceria com outras empresas e engloba valores para a compra de respiradores pulmonares, insumos médicos e até ajuda para a construção de hospitais.

Garanta acesso gratuito à eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas com um único cadastro. Clique para saber mais.

No Rio de Janeiro, por exemplo, a companhia está gerenciando a construção de dois hospitais de campanha. Somando as duas unidades, serão disponibilizados 400 novos leitos, com 150 de UTI. As empresas que estão apoiando a construção desses dois hospitais são:

  • Bradesco Saúde
  • Lojas Americanas
  • Banco Safra
  • P&G
  • Fundo Mubdala
  • Vale
  • SulAmérica
  • BV
  • Stone
  • Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP)

Além disso, em parceria com a UnitedHealthCare, serão abertos 108 novos leitos no Hospital São Francisco da Ordem Terceira Penitência, no Rio de Janeiro.

Já em São Paulo, a Santa Casa de Misericórdia irá comportar 102 novos leitos para o atendimento de pessoas com coronavírus. A SulAmérica e a Qualicorp auxiliaram a iniciativa.

Também em São Paulo, o Hospital das Clínicas recebeu 10 mil máscaras do modelo N95. No Norte e Nordeste, alguns Estados também receberam doações da Rede d’Or.

Casos de Coronavírus no Brasil

No Brasil, até às 14h30 desta terça-feira (14), foram confirmados 24.232 casos de pessoas infectadas pelo Covid-19. Já são 1378 mortes de pessoas pelo coronavírus. Os dados são das secretarias estaduais de Saúde.

De acordo com o boletim do Ministério da Saúde, publicado no último sábado (11), 25% dos mortos pelo coronavírus no País estavam fora do grupo de risco.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião