Economia

Coronavírus: Nelson Teich pede demissão do Ministério da Saúde

0

O ministro da Saúde Nelson Teich pediu exoneração na manhã desta sexta-feira (15). Uma nota foi divulgada pela pasta, e está prevista uma coletiva de imprensa para a tarde de hoje. Teich estava no cargo há menos de um mês, e substituiu Luz Henrique Mandetta, demitido após divergências na condução da crise do coronavírus.

Um dos motivos para a saída de Teich seria a divergência no uso da cloroquina como tratamento para o coronavírus, segundo informações da GloboNews. A postura do agora ex-ministro era diferente daquela do presidente Jair Bolsonaro, segundo relato também de repórteres de outros veículos de imprensa que atuam em Brasília.

Publicamente, Bolsonaro vinha retomando a pressão pelo uso de cloroquina nos últimos dias. O presidente defende o uso do medicamento desde os estágios iniciais da doença. A recomendação do Ministério da Saúde, no entanto, é que seja usada em casos graves, por não haver comprovação da eficácia do remédio contra o coronavírus.

Nelson Teich, no entanto, vinha adotando postura de cautela. O agora ex-ministro publicou em seu Twitter mensagem sobre o medicamento em que chamava a atenção para os efeitos colaterais. Ele indicava também que outros remédios estavam testados e reafirmava o protocolo instituído por Mandetta.

Teich e Bolsonaro

O oncologista Nelson Teich havia sido escolhido no último dia 16 de abril para chefiar o Ministério da Saúde para atender o desejo de Bolsonaro por um ministro mais alinhado com as suas diretrizes.

Seu antecessor, Luiz Henrique Mandetta, foi demitido após uma série de enfrentamentos públicos com o presidente. Enquanto Mandetta estimulava o isolamento social, o presidente fazia pressão publicamente pelo retorno da população às suas atividades. O ortopedista também resistia a ampliar o uso da cloroquina, dados os riscos e a falta de evidência da sua eficácia.

Leia mais: Coronavírus: empresa produtora de vacina prioriza EUA e gera polêmica

Teich, porém, também vinha sofrendo desgastes públicos por defender um isolamento social menor. Um episódio marcante desse descompasso aconteceu na última segunda-feira (11).

Na ocasião, o presidente anunciou que iria incluir salões de beleza, barbearias e academias de ginástica na lista de serviços essenciais durante a pandemia do coronavírus. O então ministro da Saúde, contudo, foi informado da decisão por repórteres, durante coletiva de imprena. Teich demonstrou surpresa e admitiu que não sabia da decisão e que não teve chancela do Ministério da Saúde.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Felipe Machado
Felipe Machado é editor na Suno Research. Formado em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi repórter de Serviços no Valor Econômico e de Economia no site da Veja.