Coronavírus: mais de mil casos confirmados nos frigoríficos da JBS e BRF

Coronavírus: mais de mil casos confirmados nos frigoríficos da JBS e BRF
JBS (JBSS3): TRT determina afastamento de funcionários em Três Passos

Os procuradores do trabalho no Mato Grosso do Sul informaram nesta sexta-feira (3) que mais de mil funcionários da JBS (JBSS3) e da BRF (BRFS3) testaram positivo para o coronavírus (covid-19). A informação foi divulgada pelo jornal “Reuters”.

Após a divulgação dos resultados dos testes, ambas as empresas tiveram suas fábricas temporariamente fechadas no Centro-Oeste do Brasil. Alem disso, é provável que haja ainda mais fechamentos e possíveis restrições à exportação de carne, sendo que a JBS já é uma das quatro produtoras brasileiras a ter fábricas proibidas de exportar para a China em meio a preocupações com infecções por coronavírus.

No caso da BRF, 73 trabalhadores testaram positivo para o vírus em uma fábrica de produtos de carne de frango em Dourados, no Mato Grosso do Sul, onde a empresa emprega cerca de 1.500 pessoas.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Na mesma cidade, a JBS testou, até  o primeiro de julho, 4.134 funcionários dos 4.300 que são empregados na fábrica. Desse número, 1.075 testaram positivo para o coronavírus.

O pico do coronavírus no Brasil será em agosto

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o pico da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Brasil será em agosto. O País já registrou 1,4 milhão de infectados, com quase 60 mil mortes. A previsão foi apresentada na última terça-feira (30).

Saiba mais: Coronavírus: Recuperação da economia será transformadora, diz BCE

“Conforme as condições atuais, acredita-se que a pandemia atingirá um pico no Chile e na Colômbia em meados de julho, mas na Argentina, Brasil, Bolívia e Peru só em agosto, e a Costa Rica só achatará sua curva de infecções do coronavírus em outubro”, disse Carissa Etienne, diretora da organização, em uma coletiva de imprensa virtual.

Segundo a OMS, as Américas passaram a ser o epicentro mundial do coronavírus, e, nesse ritmo, o número de vítimas pode ser triplicado até 1º de outubro, atingindo 637 mil.

Daniel Guimarães

Compartilhe sua opinião