Economia

Coronavírus: Bolsonaro diz que auxílio financeiro pode chegar a R$ 600

0

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, anunciou que o auxílio financeiro para trabalhadores afetados pela crise do coronavírus pode chegar a R$ 600. O anuncio foi feito nessa quinta-feira (26) em frente ao Palácio do Alvorada.

Inicialmente, o valor do auxílio era de R$ 200, que seria destinado aos trabalhadores afetados a crise ocasionada pelo coronavírus. Entretanto, o valor continua sendo discutido no Congresso e o presidente afirmou que o valor não foi definido ainda.

“Pode ser R$ 500, poder ser R$ 600. Eu estou falando com (o ministro da Economia) Paulo Guedes“. Informou Bolsonaro.

O líder da nação aproveitou o momento para criticar “politicagem” que ele afirma estar sendo feita por “deputados, senadores e presidentes de poder”.

Saiba mais: Coronavírus e Mercado Financeiro | Saiba quais oportunidades você pode estar perdendo

Em relação as medidas econômicas para ajudar o mercado financeiro, o político disse “não tomo decisão sem falar com Guedes; ele vai vir morar em Brasília”. “Eu não sei nada de Bolsa, nada de economia, zero”.

Contudo, Bolsonaro afirmou que a Medida Provisória que trata do auxílio financeiro já está pronta. O presidente ainda acrescentou que o ministro da economia disse que não vai faltar dinheiro para saúde nem para educação mas completou “não sei se ele falou se pra segurança também”.

Congresso quer aumentar impostos para conter efeitos do coronavírus

Em meio à pandemia do novo coronavírus, alguns parlamentares estão apresentando propostas para minimizar os impactos econômicos causados pela doença. Entre as sugestões, há a taxação de empresários que lucram acima de R$ 1 bilhão e de grandes fortunas.

A proposta foi escrita pelo deputado Wellington Roberto (PL-PB) e está prevista na Constituição para casos da calamidade pública. No entanto, de acordo com a avaliação de técnicos do governo, a porcentagem de 10% do lucro é um percentual elevado e, por conta disso, pode ser considerado um confisco.

Segundo a proposta, 10% do lucro líquido dos últimos doze meses das empresas com patrimônio maior que R$ 1 bilhão seriam captados pelo governo e destinado ao combate do coronavírus.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Laura Moutinho
Estagiaria na Suno Notícias, escreve notícias que afetam o mercado financeiro. Estuda administração na Universidade Presbiteriana Mackenzie.