Coronavírus: 2ª onda pode “causar danos” aos bancos globais, diz Moody’s

Coronavírus: 2ª onda pode “causar danos” aos bancos globais, diz Moody’s
Coronavírus: 2ª onda pode "causar danos" aos bancos globais, diz Moody's

A agência de classificação de crédito americana, Moody’s, informou nesta quinta-feira (24) que apesar do sistema bancário global estar reagindo bem aos efeitos causados pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), uma segunda onda do vírus representará, possivelmente, uma ameaça aos bancos.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Uma segunda onda da pandemia “que leve a novos bloqueios e turbulência econômica pode causar danos mais duradouros aos bancos e aos perfis de crédito”, disse a Moody’s.

De acordo com a agência de classificação, dentre as 70 perspectivas do ‘Moody’s Banking System’ , 75% delas agora são negativas, ante 14% do fim de 2019.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

A estimativa é que seja necessário aproximadamente dez anos de condições econômicas favoráveis para “suportar o inevitável aumento das dívidas incobráveis nos próximos meses”, anunciou a Moody’s.

Recuperação econômica pós-coronavírus pode levar 5 anos, diz Banco Mundial

Segundo o Banco Mundial (BM), a recuperação econômica global frente à crise gerada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) pode levar até cinco anos. A previsão foi revelada na última quinta-feira (17) pela economista-chefe do banco, Carmen Reinhart.

“Provavelmente haverá uma recuperação rápida quando todas as medidas de restrição relacionadas aos bloqueios [para conteção ao coronavírus] forem suspensas, mas uma recuperação completa levará até cinco anos”, afirmou a economista em participação remota em evento realizado em Madri.

Saiba Mais: Recuperação econômica pós-coronavírus pode levar 5 anos, diz Banco Mundial

Além disso, a recessão causada pelo vírus durará mais em determinados países do que em outros e agravará a desiguldade, afirmou. Isso correrá porque, de acordo com a economista, os mais pobres serão atingidos de forma mais intensa pela crise nos países ricos, e os países mais pobres também serão mais impactados do que os países mais ricos.

Além disso, Reinhart pontuou que a pandemia do coronavírus fará com que, pela primeira vez nas últimas duas décadas, as taxas de pobreza global aumentem significativamente após a crise.

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião