Coronavac: Primeiro lote com 120 mil doses da vacina chega a São Paulo

Coronavac: Primeiro lote com 120 mil doses da vacina chega a São Paulo
Coronavac: Primeiro lote com 120 mil doses da vacina chega a São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou, por meio de sua rede social, a chegada das primeiras 120 mil doses da Coronavac, vacina contra o novo coronavírus (covid-19) produzida pelo laboratório chinês.

“É um marco muito importante diante de uma pandemia que já levou a vida de mais de 166 mil brasileiros. Nós temos agora a chegada da vacina que, mediante autorização final da Anvisa vai ajudar a salvar vidas”, disse Doria ao anunciar a chegada da Coronavac.

O avião de cargo com o imunizante pousou no aeroporto de Guarulhos por volta das 7h35. A carga chegou em sete contêineres refrigerados. No local estava o governador, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Até dezembro serão 46 milhões de doses. As primeiras seis milhões chegam prontas da China e ficarão armazenadas sob a responsabilidade do instituto.

Coronavac induz resposta imune em 97% dos casos, aponta The Lancet

A Coronavac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, que possui parceria com o Instituto Butatan, é segura e consegue produzir uma resposta imune do organismo contra o novo coronavírus, segundo a revista científica “The Lancet”.

Na noite da última terça-feira (17) a revista informou que o imunizante tem a capacidade de produzir resposta imune no organismo 28 dias após sua aplicação em 97% dos casos.

Embora a Coronavac já esteja sendo testada em fase 3, que inclui estudo com maior número de pacientes, os ensaios analisados pelos cientistas foram de fase 1 e 2, nos meses de abril e maio com 744 voluntários saudáveis de 18 a 59 anos sem histórico de infecção pelo vírus.

O imunizante induziu à produção de anticorpos neutralizantes, cuja a função é impedir a entrada da covid-19 nas células. Portanto, a conclusão da análise é que a vacina pode ser eficaz em impedir a infecção não apenas o desenvolvimento da doença.

Os efeitos adversos reportados foram brandos, e o mais comum deles foi a dor no local da injeção. Não houve nenhum efeito colateral grave que pudesse indicar uma falha na segurança da vacina.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião