Finanças pessoais

Confira os rendimentos dos principais fundos imobiliários em setembro

0

O último dia útil do mês é a data em que a maior parte dos fundos imobiliários divulgam seus rendimentos mensais. Esses serão pagos no mês seguinte.

Saiba mais: Fundos imobiliários chegam ao recorde de um milhão de contas

Confira os dividendos anunciados pelos principais fundos imobiliários do mercado em setembro.

TICKER DIVIDENDO DATA DE PAGAMENTO YIELD 1M
ABCP11 R$0,49 07/10/2019 0,52%
BCRI11 R$0,72 15/10/2019 0,54%
BBPO11 R$1,06 14/10/2019 0,70%
CPTS11B R$0,70 14/10/2019 0,66%
EDFO11 R$1,65 10/10/2019 0,55%
FIIB11 R$2,67 10/10/2019 0,56%
FVPQ11 R$1,32 08/10/2019 0,72%
HGBS11 R$1,40 14/10/2019 0,55%
HGCR11 R$0,74 14/10/2019 0,62%
HGPO11 R$0,87 14/10/2019 0,47%
HGLG11 R$0,78 14/10/2019 0,51%
HGRE11 R$0,74 14/10/2019 0,46%
KNIP11 R$0,65 11/10/2019 0,56%
KNCR11 R$0,51 11/10/2019 0,49%
KNHY11 R$0,66 11/10/2019 0,56%
KNRI11 R$0,74 14/10/2019 0,46%
MALL11 R$0,56 14/10/2019 0,53%
MXRF11 R$0,09 15/10/2019 0,80%
OUJP11 R$0,65 14/10/2019 0,61%
PQDP11 R$15,82 18/10/2019 0,51%
RNGO11 R$0,49 14/10/2019 0,58%
SAAG11 R$0,93 15/10/2019 0,72%
SDIL11 R$0,64 14/10/2019 0,55%
VISC11 R$0,92 14/10/2019 0,74%
VRTA11 R$0,71 15/10/2019 0,58%
XPCM11 R$0,81 14/10/2019 1,38%
XPLG11 R$0,61 14/10/2019 0,57%

Um milhão de contas nos FIIs

Os fundos imobiliários chegaram ao recorde de um milhão de contas no primeiro semestre deste ano. A informação foi divulgada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

No mesmo período do ano passado, o número de contas ativas no mercado de  fundos imobiliários somava 400,2 mil.

A assessora de imprensa da Anbima, Giovanna Bambicini, afirmou em entrevista para a SUNO Research que o milhão não corresponde ao número de pessoas físicas, e sim, ao número de contas.

“O número de cotistas não necessariamente é o mesmo número de Cadastro de Pessoas Físicas (CPFs). Como as informações vêm de instituições diferentes, a mesma pessoa pode ter conta em um banco e em uma corretora. Nesse caso, entrará duas vezes nesta lista”, explicou Bambicini.

Nos seis meses iniciais de 2019, a captação líquida dos FIIs somou R$ 15,3 bilhões. Na comparação anual, o valor indica uma alta de 46% ante os R$ 10,5 bilhões contabilizados no primeiro semestre do ano passado.

Causas para o crescimento

O vice-presidente da Anbima, Carlos André, explicou que os juros baixos contribuíram para o aumento no número de contas. Isto porque a redução da taxa Selic afeta os investimentos em renda fixa e na poupança.

“Com juros baixos e maior estabilidade político-econômica, os fundos imobiliários encontram um cenário fértil para crescimento e se reforçam como opção de diversificação do portfólio dos investidores”, afirmou o vice-presidente.

Além disso, André falou ainda sobre a retomada do mercado imobiliário como um dos fatores que motivou o crescimento no número de investidores.

“Isso também se deve à gradual retomada do mercado imobiliário, que usa esses produtos como fonte de recursos, e estimula o crescimento de empregos e do PIB”, explicou André.

A aversão ao risco de uma parte da população pode ser uma causa para que o aumento não tenha sido ainda maior.

“O investidor deve aplicar em produtos que o ajudem a alcançar seus objetivos, considerando prazo e apetite a risco, e não apenas seguir um movimento do mercado”, afirmou o vice-presidente sobre a necessidade de considerar que esses ativos não são livres de riscos.

Fundos imobiliários

Atualmente, mais de 390 fundos imobiliários já estão listados no mercado brasileiro. Essa classe de ativos consiste em um tipo de investimento em renda variável.

Leia também: Imóveis: setor de construção civil tem primeira alta após 5 anos

Ao investir nessa categoria, os cotistas fazem um aporte em imóveis já existentes, em construção ou em dívidas emitidas para financiar outros imóveis.

Entre os tipos de imóveis para investir estão:

  • Lajes corporativas;
  • shoppings;
  • galpões logísticos;
  • hospitais;
  • sedes empresariais;
  • imóveis de varejo;
  • imóveis residenciais;
  • títulos de dívida imobiliária, como LCI e CRI.

Por meio dos fundos imobiliários, os cotistas podem investir em imóveis sem precisar lidar com burocracia imobiliária e impostos como o IPTU, por exemplo.

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.