Confira os três setores mais perenes da Bolsa de Valores

Confira os três setores mais perenes da Bolsa de Valores
Confira os três setores mais perenes da Bolsa de Valores

A Bolsa de Valores de São Paulo (B3) possui 327 empresas listadas. As companhias de capital aberto estão separadas em 11 setores diferentes, desde o setor de comunicações até empresas categorizadas como utilidade pública.

Com o objetivo de investimento a longo prazo, é necessária a escolha de empresas que possuam a perspectiva de perenidade atrelado a um alto índice de valorização na Bolsa de Valores.

Perenidade na Bolsa de Valores

Dessa forma, elencamos três setores que serão duradouros e de grande confiabilidade para o investidor de longo prazo, tanto na valorização dos papéis das empresas listadas, como no recebimento de dividendos e juros sobre capital próprio das mesmas. São eles:

  • Financeiro
  • Saúde
  • Materiais Básicos

Consideramos fatores como lucratividade e capilaridade característica das empresas mais relevantes que compõem o setor, além da necessidade perpétua do produto ou serviço oferecido, fazendo com que sejam companhias perenes no longo prazo.

Financeiro

O setor financeiro, através das subsetores intermediários, serviços, previdência, seguros e exploração de imóveis, corresponde a 36,14% do índice Ibovespa.

Em um mundo cada vez mais globalizado, com a educação financeira sendo divulgada à sociedade, a “financeirização” da economia faz com que os bancos, fintechs e as instituições monetárias tenham cada vez mais relevância no mercado. Devido a isso, a necessidade das pessoas por um intermediador financeiro cada vez será maior.

É um setor com alta lucratividade, em decorrência do spread bancário praticado pelas instituições financeiras. Todavia, essa maneira de rentabilidade do bancos tradicionais está sendo ameaçada pelas startups, como o Banco Inter (BIDI4), que apresenta uma valorização de mais de 220% apenas nos últimos 12 meses.

Os bancos de maior porte estão sendo forçados a oferecerem melhores produtos a seus clientes. De toda forma, é um setor que sempre fará parte da rotina das pessoas, portanto, é uma opção para o longo prazo.

Maiores empresas do setor:

  • Itaú Unibanco (ITUB3; ITUB4)
  • Bradesco (BBDC3, BBDC4)
  • Banco do Brasil (BBAS3)

Segundo o especialista em renda variável e em macroeconomia da Suno Research, João Arthur Almeida, tanto o Itaú, como o Bradesco, maiores bancos do País, vem se adaptando à nova realidade do mercado para fazer frente aos novos players.

Confira: Bradesco pode pagar R$ 8 bi em dividendos extraordinários

As instituições bancárias tradicionais tem diminuído o quadro de funcionários, reduzindo o número de agências físicas e apostando nas agências digitais.

“Embora o setor [financeiro] seja altamente perene, é importante ressaltar que ele esta exposto para alguns riscos aqui no Brasil, principalmente relacionado ao crescimento das fintechs”, disse o especialista.

Saúde

De acordo com o Banco Mundial, a expectativa de vida no Brasil, em 2018, era de 75,51 anos. Há 50 anos, a expectativa de vida era menor que 60 anos. Em media, nos últimos anos o brasileiro têm vivido mais e melhor.

Entre as principais razões que explicam esse resultado está o grande avanço da medicina no Brasil, sobretudo a diagnóstica. É nesse e entre outros segmento que as empresas listadas no setor de Saúde operam.

As empresas possuem o diferencial competitivo por trabalharem com produtos e serviços que são essenciais e inerentes para a vida humana. Um setor que ainda tem um enorme espaço para crescer, pois a medicina preventiva ainda não está presente na cultura da sociedade brasileira.

Veja também: Fleury anuncia compra do Grupo Diagmax por R$ 80,3 mi

Algumas das companhias com maior liquidez do setor de Saúde são:

  • Fleury (FLRY3)
  • Notre Dame Intermédica (GNDI3)
  • Qualicorp (QUAL3)

“Além da perenidade, temos que destacar a demografia favorável. Cada vez mais haverão mais pessoas idosas, e também conforme as pessoas aumentem a renda, é esperado que queiram serviços de saúde de qualidade”, afirmou o especialista.

Almeida argumenta que a procura das pessoas por serviços privados do setor de Saúde se dá pela improbabilidade do Estado em proporcionar serviços de qualidade para toda a população.

Materiais Básicos

Outro setor que é possível considerar como “perene” é o dos Materiais Básicos. Empresas que compõem esse segmento na B3 possuem grande importância no nosso dia a dia.

As companhias atuantes nesta categoria são responsáveis para que matérias-primas, materiais de embalagem e peças necessárias na produção industrial estejam dispostas na quantidade e qualidade corretas.

Confira as maiores empresas do setor:

  • Klabin (KLBN3; KLBN4; KLBN11)
  • Suzano Papel e Celulose (SUZB3)
  • Gerdau (GGBR3; GGBR4)

“Algumas pessoas tem a impressão de que não [é um bom setor], pois o papel tem sido trocado por produtos digitais. Mas a Suzano, por exemplo, é focada no papel tissue, utilizado para fabricar papel higiênico e para lenço de papel”, produtos que são considerados de consumo inelástico, pois há a necessidade contínua de comprá-los. 

Saiba mais: Klabin expande operações e compra fábrica da Heineken

Além disso, Almeida ressalta o modelo de negócios da Klabin, que se aproveita da menor utilização das caixas de plástico, degradáveis ao meio ambiente, para maior uso das caixas de papelão, sua especialidade.

Dessa forma, concluímos que a Bolsa de Valores possui setores que se apresentam como um ótimo caminho a se seguir pensando no longo prazo. Assine a Suno Research e tenha acesso aos melhores relatórios sobre investimentos em renda variável do Brasil.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião